Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Grande conquista

Em Londrina, bailarina negra usa meias e sapatilhas da cor de sua pele

Walkiria Vieira - Grupo Folha
15 jan 2024 às 10:30
- Fábio Alcover/Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O livro "A Bailarina que Pintava Suas Sapatilhas" (Globinho, 32 págs., 2023) aborda a trajetória da bailarina carioca Ingrid Silva, 34 anos, que durante onze anos tingiu as suas sapatilhas com a cor de sua pele. 


Na obra, a bailarina discorre desde o momento em entrou no projeto social Dançando Para Não Dançar, no Rio, até alcançar a Dance Theatre of Harlem, companhia de balé de Nova York. De modo esclarecedor, ela destaca a importância da diversidade não só na dança, mas na sociedade.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Também autora de "A Sapatilha que Mudou meu Mundo", (Globo, 176 págs., 2021), reconhece que o balé nasceu na Europa e foi idealizado predominantemente por pessoas brancas. Assim, as sapatilhas rosas sempre foram adotadas como um padrão.

Leia mais:

Imagem de destaque
PRAZO DE 10 MESES

Obras de construção da UPA zona sul começaram; previsão de entrega é novembro

Imagem de destaque
CONJUNTO CAFEZAL

Trecho com erosão na Estrada da Pedreira é interditado pela Prefeitura de Londrina

Imagem de destaque
JOVEM TINHA 14 ANOS

Morte de adolescente por suspeita de dengue é investigada em Londrina

Imagem de destaque
0,03% não têm água

Censo 2022: 7,44% dos domicílios de Londrina ainda usam buraco ou fossa como esgotamento


Na biografia, Ingrid Silva está na capa, demonstrando o processo "pancaking", ritual extremamente meticuloso de bailarinos negros para pintar os calçados com base - até que finalmente Ingrid Silva conquistasse sapatilhas fabricadas com a cor da sua pele. 

Publicidade


Um ano após a transformação estrutural que causou, um par das sapatilhas que Ingrid pintava virou peça do Museu Nacional de Arte Africana Smithsonian, nos Estados Unidos.


UM PASSO NA SOCIEDADE 


Em Londrina, no final de 2023, durante a apresentação de " O Lago dos Cisnes", espetáculo de Escola Municipal de Dança de Londrina, a bailarina Maria Eduarda Santos também alcançou grande conquista. Além de sua formatura, ela usou a meia calça e a sapatilha da cor de sua pele.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Em Londrina, bailarina negra usa meias e sapatilhas da cor de sua pele
Bailarina luta pelo uso de meia e sapatilhas da cor da pele negra de forma inédita na cidade
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade