Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Presença feminina

Em meio a desafios e paradigmas, mulheres londrinenses brilham no esporte brasileiro

Lucio Flávio Cruz - Grupo Folha
08 mar 2024 às 09:00
- Jefferson Bachega/LEC
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O número de mulheres que ocupam cargos de comando no esporte brasileiro tem aumentado, mas a presença feminina ainda é pequena na comparação com homens que desempenham funções como técnicos, dirigentes e árbitros.


A participação das mulheres é baixa até mesmo em competições femininas. No Campeonato Brasileiro Feminino A1 do ano passado, a principal divisão nacional, dos 16 clubes participantes, apenas quatro eram dirigidos por mulheres. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Entre os grandes clubes do país, somente o Atlético Mineiro tinha uma mulher no comando. Os outros eram Ferroviária (SP), Kindermann (SC) e Real Brasília (DF). 

Leia mais:

Imagem de destaque
Foi encaminhado ao HU

Motociclista fica ferido após colidir com traseira de carro em Londrina

Imagem de destaque
No próximo sábado (22)

Festa do padroeiro na Paróquia São Luiz Gonzaga trás show sertanejo e sorteios de prêmios

Imagem de destaque
Importância para a economia

Maratona de inovação em Londrina busca soluções criativas para setor químico

Imagem de destaque
Homenagem

Mostra 'Cartas para Nitis' estreia nesta quinta-feira em Londrina


Também na política, poucas mulheres participam das decisões que norteiam o esporte nacional. Ana Moser, craque do vôlei brasileiro, ficou apenas nove meses como ministra do Esporte e foi demitida pelo presidente Lula para agradar as bases do governo no Congresso Nacional. 

Publicidade


André Fufuca (PP-MA) assumiu o cargo. Ana Moser foi a ministra do Esporte que menos ficou no cargo desde a criação do ministério em 1995. 


Neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher, a FOLHA conversou com londrinenses que são protagonistas nas suas modalidades e relata os desafios e os obstáculos que estas mulheres enfrentam no dia a dia para fazer a máquina do esporte girar. 

Publicidade


Márcia Aversani é presidente da Federação Paranaense de Ginástica, coordenadora do Comitê Técnico de Ginástica Rítmica da Confederação Brasileira e membro do Comitê Técnico de GR da Federação Internacional de Ginástica. 


A dirigente lembra que a equidade de gênero que existe entre os atletas nos Jogos Olímpicos, por exemplo, não é a realidade nos cargos de gestão. 

Publicidade


"Na gestão esportiva, nos conselhos federais, nas confederações não há a mesma preocupação em dividir o poder. Somos poucas, muitas vezes temos uma mulher sozinha em uma mesa com vários homens. A mudança que tem acontecido aos poucos é pela vontade das mulheres em mudar, pela luta incansável das mulheres", aponta.


Jayne Borim jogou futsal por Londrina em um tempo em que a modalidade era quase exclusiva para homens. As mulheres ganharam espaço com a "bola pesada" e o trabalho comandado por Borim e Vanda Sanches à frente da equipe londrinense é um dos mais respeitados e vitoriosos do futsal feminino do Brasil. 

Publicidade


"Tem toda uma questão cultural preestabelecida de alguns esportes terem domínio masculino. Não é fácil quebrar estes paradigmas, esta resistência e isso limita a presença de mulheres. Mas não é o gênero que define a capacidade e a eficiência e sim o conhecimento e o trabalho. E hoje temos muitas mulheres, apesar de tudo, desempenhando um trabalho de eficiência", comenta. 


Ex-atleta, Silvana Vieira é hoje uma das técnicas da equipe de atletismo de Londrina, uma das mais vitoriosas do país. Vieira constantemente também integra comissões técnicas da seleção brasileira em competições internacionais da base e adulto.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Em meio a desafios e paradigmas, londrinenses brilham no esporte brasileiro
No Dia Internacional da Mulher, três personagens da cidade relatam as dificuldades e obstáculos para se tornarem líderes em suas modalidades
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade