Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Ameaça de rescisão

Empresa tem 15 dias para regularizar varrição em Londrina

Guilherme Batista - Redação Bonde
31 out 2012 às 17:55
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Ebepec tem as próximas duas semanas para regularizar o serviço de varrição em Londrina. O prazo foi dado pela Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU).

A terceirizada foi contratada no início do mês, mas, até agora, não conseguiu cumprir o que foi estipulado no contrato emergencial. Pelo acordo, a empresa deve ficar responsável por realizar a varrição em até 36 quilômetros de vias localizadas na área central do município. Em troca, receberia, na teoria, R$ 129 mil. "No entanto, como não conseguiu dar conta do serviço neste primeiro mês, vamos glosar o contrato e pagar apenas pelo procedimento que for feito", garantiu o presidente da CMTU, Octávio Cesário Neto.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


Para justificar as falhas, a empresa alegou que teve dificuldades de contratar funcionários e se instalar em Londrina. "Agora a terceirizada garante que vai conseguir cumprir o contrato. Caso não consiga, vamos fazer o rompimento do acordo e contratar a segunda colocada no chamamento público", alertou, citando a MM Consultoria, Construções e Serviços Ltda., que ofereceu R$ 149 mil para fazer o serviço na cidade.

Leia mais:

Imagem de destaque
Animais silvestres

Coelhos gigantes, dragão barbudo e porquinho da Índia sem pelo fascinam visitantes na ExpoLondrina

Imagem de destaque
Antiga Casa da Criança

Apesar de Museu de Artes estar fechado, secretaria inaugura exposições com obras de acervo em Londrina

Imagem de destaque
Câmara Municipal de Londrina

Projeto de lei propõe a desapropriação de imóveis abandonados em Londrina

Imagem de destaque
Durante a abertura da Expo

Londrina Paraná Day: cidade vai receber investimentos para expansão de gás canalizado

Octávio Cesário Neto também minimizou o fato de a Ebepec ter ligação jurídica com a Visatec, que é responsável pelo contrato, de R$ 60 milhões, da capina e da roçagem em Londrina. O sócio principal da Ebepec é Faiçal Janani, irmão do ex-deputado José Janene e pai do dono da Visatec, Faiçal Janani Júnior. "Não passa de uma coincidência. A empresa foi contratada porque apresentou toda a documentação necessário e o menor preço", argumentou o presidente da CMTU.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade