Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Maternidade municipal

Londrina: construtora pede rompimento do contrato de reforma da maternidade Lucilla Ballalai

Pedro Marconi - Grupo Folha
12 jul 2022 às 16:20
- Pedro Marconi - Grupo Folha
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A construtora contratada em 2019 para reformar a Maternidade Municipal Lucilla Ballalai, no centro de Londrina, pediu no início deste mês o rompimento do contrato. No documento protocolado na prefeitura – e que a FOLHA teve acesso – a empresa, que tem sede na cidade, faz inúmeras reclamações.


A empreiteira alega, por exemplo, que o contrato estabelecia a execução da obra em 420 dias e, levando em conta a data da ordem de serviço, a entrega deveria ter sido em outubro de 2020, no entanto, "já foram 1.051 dias e o atraso é de responsabilidade única e exclusiva da contratante", ou seja, do poder público. “Desde o início da obra foram liberadas pequenas frentes de trabalho para a contratada, o que aumentou substancialmente os custos diretos e gerou prejuízo significativo para a contratada", sustentou.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


No ofício, a empresa também cita que a análise das demandas é morosa e que mesmo aquelas garantidas no edital demoram meses para ter pareceres. Além disso, alerta que os trabalhadores que atuavam na revitalização da maternidade foram retirados totalmente na semana passada. "A obra não tem previsão alguma de término. A contratante já sinalizou que as demais áreas não serão liberadas integralmente no curto prazo”, afirmou.

Leia mais:

Imagem de destaque
PRAZO DE 10 MESES

Obras de construção da UPA zona sul começaram; previsão de entrega é novembro

Imagem de destaque
CONJUNTO CAFEZAL

Trecho com erosão na Estrada da Pedreira é interditado pela Prefeitura de Londrina

Imagem de destaque
JOVEM TINHA 14 ANOS

Morte de adolescente por suspeita de dengue é investigada em Londrina

Imagem de destaque
0,03% não têm água

Censo 2022: 7,44% dos domicílios de Londrina ainda usam buraco ou fossa como esgotamento


As melhorias no prédio vêm acontecendo em "blocos” e com a unidade funcionando de maneira concomitante, situação que já havia sido reconhecida pelo município como um desafio. Em 2020 foi finalizada a construção do novo prédio do centro cirúrgico, ampliando a área da unidade para mais de 3,3 mil metros quadrados. Já em dezembro do ano passado uma cerimônia marcou a entrega da segunda fase da reforma da maternidade. 


Na época, a prefeitura divulgou que faltavam apenas as intervenções na última parte definida no planejamento, na ala denominada pós-parto. Segundo dados disponibilizados pela prefeitura, a última medição, de maio, apontou que a obra está com 80% de execução. O contrato é de R$ 6,8 milhões, sendo que a empresa recebeu cerca de R$ 5,5 milhões até agora.


Continue lendo na Folha de Londrina.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade