Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Fomento Paraná

Santa Casa de Londrina vai receber recursos

Redação Bonde
01 jul 2018 às 11:29
- Ricardo Chicarelli/Grupo Folha
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Fomento Paraná e a Santa Casa de Misericórdia de Londrina assinam nesta segunda-feira, 2/7, um contrato de financiamento no valor de R$ 10 milhões. Os recursos são da linha BNDES Saúde - Atendimento SUS e serão aplicados na reestruturação do endividamento da entidade com fornecedores.

A linha BNDES Saúde é voltada a instituições beneficentes de assistência social e que atendam a requisitos como atendimento de urgência e emergência ou oferta de leitos obstétricos ou neonatais de risco à Central de Regulação.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade



"A intermediação deste financiamento para a Santa Casa de Londrina é parte de um esforço do Governo do estado para fortalecer a capacidade de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS)", afirma o presidente da Fomento Paraná, Vilson Ribeiro de Andrade. "É também uma contribuição da Fomento Paraná, como instituição financeira pública, para melhoria das condições de atendimento em saúde da população paranaense."

Leia mais:

Imagem de destaque
Neste sábado no calçadão

Londrina terá protestos contra morte de menino pela PM e contra PL da criminalização do aborto

Imagem de destaque
Ainda dá tempo!

The Loreans é a atração da feira gastronômica da Concha Acústica desta sexta

Imagem de destaque
A partir de segunda-feira

Trecho da BR-369 em área urbana de Londrina será interditado para obras do viaduto da PUC

Imagem de destaque
Reintegração à natureza

Após tratamento em hospital veterinário de Londrina, tamanduá bandeira é solto


A possibilidade de operar essa linha de crédito exigiu um esforço da Fomento Paraná para credenciamento no Fundo Nacional de Saúde e habilitação junto ao BNDES. "Nos capacitamos e fomos buscar meios de proporcionar aos hospitais filantrópicos paranaenses acesso a recursos de baixo custo para ajudá-los na reestruturação financeira e também para investimentos", afirma o assessor de Mercado, Luiz Hauly Filho, que representa a Fomento Paraná no evento. "É bom para os hospitais e para a Fomento Paraná, que pode consignar o pagamento do financiamento com a margem paga pelo SUS por conta do atendimento prestado pela entidade à população", completa.

Publicidade


De acordo com os administradores da Santa Casa de Londrina, o financiamento permitirá uma melhor distribuição e aproveitamento dos recursos disponíveis na instituição para atender aos pacientes de Londrina e toda a região norte do estado.


Atendimento

Com 191 leitos, sendo 155 de internação e 36 de UTI, a Santa Casa de Londrina é uma unidade de referência regional para a Rede Paraná Urgência, com 80% dos atendimentos realizados pelo SUS. Portanto, é uma das principais portas de entrada para receber pacientes em situação de urgência e emergência na região.

Publicidade


A entidade também é pioneira no ensino em saúde em Londrina. De 1967 a 1971 foi hospital-escola da UEL, oferecendo infraestrutura para o curso de Medicina. Antes, em 1960, inaugurou a primeira escola de cursos técnicos em saúde, o Centro de Educação Profissional Mater Ter Admirabilis. Hoje, a ISCAL tem 16 residências reconhecidas pelo MEC, sendo 11 áreas médicas e 5 áreas multiprofissionais, gerenciadas pelo Instituto de Ensino, Pesquisa e Inovação (IEPI-ISCAL).


Crédito


A Fomento Paraná é uma instituição financeira de desenvolvimento do Governo do Estado e está credenciada a operar a linha BNDES Saúde. Desde 2011 a instituição já contratou torno de R$ 1,5 bilhão em financiamentos para projetos de infraestrutura e aquisição de máquinas e equipamentos dos municípios paranaenses e em tornou de R$ 1 bilhão em crédito para empreendedores privados, de micro, pequeno e médio porte, do comércio, da indústria, do setor de serviços.

Os recursos da linha BNDES Saúde estão disponíveis para outras entidades que se enquadrarem nos pré-requisitos. Podem ser financiados projetos de investimento voltados à melhoria da gestão e à implantação, ampliação e modernização das instituições de saúde, como estudos e projetos, obras civis, aquisição de equipamentos, além de capital de giro associado ao projeto de investimento, bem como para reestruturação do endividamento bancário e com fornecedores, desde que a instituição apresente um projeto de otimização operacional.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade