Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Testes de combate

Sema vai instalar holofotes para combater pombos no Bosque Central Londrina

- Roberto Custódio/Grupo Folha
Reportagem local
22 set 2022 às 07:40
Publicidade
Publicidade

O secretário municipal do Ambiente de Londrina,  Ronaldo Siena, afirmou que fará um teste para combater os pombos do Bosque Municipal Marechal Cândido Rondon, na área central de Londrina. A afirmação ocorreu durante um encontro na Sema, na tarde de terça-feira (20). Siena e o biólogo da instituição, Jonas Henrique Pugina, receberam o Cura da Catedral Metropolitana de Londrina, padre José Rafael Solano Durán, e debateram possíveis soluções para o combate aos pombos, problema que se arrasta há anos. 


Católicos protestam contra sujeira dos pombos no bosque central de Londrina

Publicidade
Publicidade


Ao final da reunião, definiu-se que uma das soluções seria dividir o bosque em quadrantes. “Podemos fazer um teste em um desses quadrantes. Vamos fazer uma análise próximo da figueira branca e acionar a Londrina Iluminação para que ilumine esse quadrante. Estamos dispostos a melhorar a qualidade de vida dos moradores da nossa cidade”, explicou Siena. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Veja os bairros

Rompimento de rede afeta abastecimento na zona leste de Londrina

Imagem de destaque
Abandonado há 8 anos

Londrina: instituto vai doar projetos para ajudarem na revitalização do Parque Daisaku Ikeda

Imagem de destaque
Festa popular

Carnaval na Vila Brasil e no Conjunto Cafezal animam Londrina no final de semana

Imagem de destaque
Diversão para os pequenos

Pezinhos no samba: matinês londrinenses põem as crianças em clima de folia


Solano reforçou que no último domingo (18) houve um protesto dos fiéis e de e moradores do centro histórico de Londrina. "A associação dos moradores do centro também esteve reunida na Catedral. No domingo, houve uma limpeza simbólica e um momento de reflexão.  A situação tem se tornado insustentável", comentou o Cura. De acordo com padre Rafael, a ideia de se trazer mais iluminação ao bosque pode ser uma das soluções para o problema.

Publicidade


“Temos como exemplo o entorno da Catedral da Sé, em São Paulo, que sofria com o mesmo problema.  Depois da colocação de uma iluminação eficiente, as aves praticamente sumiram dali”, pontuou. Além da sujeira e mau cheiro, o vigário geral da Arquidiocese, padre Rafael Solano, tem falado - durante as conversas com os representantes dos órgãos públicos - sobre a criptococose (doença gerada pelas fezes das aves). 


A instalação de holofotes para afugentar pombos já foi experimentada em 2014. Houve uma diminuição inicial, mas logo as aves retornaram. Também foram tentadas alternativas como a utilização de gel repelente e de emissão de sons ou por controle utilizando pulsos magnéticos, mas todos sem eficácia permanente.


No dia 16, Solano recebeu o presidente da Londrina Iluminação, Cláudio Tedeschi, e o diretor de operações da corporação, Alexander Farias Fermino. Durante o encontro, realizado nas vias do Bosque Central, os três também discutiram sobre as possíveis soluções para a questão das aves. Ao final do encontro, Tedeschi e Fermino assumiram o compromisso de colaborar no que for preciso para a solução do problema, com a ajuda da Sema e CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização).  


Nesta quarta-feira, o presidente da CMTU, Marcelo Cortez, teria uma reunião com padre Rafael Solano, na Catedral, mas o encontro foi desmarcado por Cortez. Uma nova data será agendada.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade