Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Ruas de Londrina

Tamanho dos buracos aumenta 30% por causa das chuvas

Loriane Comeli - Redação Bonde
23 out 2009 às 19:44
- Folha de Londrina/Arquivo
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Secretaria Municipal de Obras de Londrina estima que os buracos – em número expressivo na cidade – tenham aumentado de tamanho em 30% em razão das chuvas intensas das últimas semanas. O número de buracos permanece praticamente o mesmo, explicou o gerente de projetos de obras de pavimentação, Cláudio Mucin, mas eles aumentaram de tamanho e de profundidade e com muito mais rapidez.

"Agora os buracos estão mais maiores e profundos; antes era a capa asfáltica que ficava deteriorada; agora a segunda camada, que são as pedras, também estão se soltando", explicou Cláudio. "A gente acha que o número de buracos continua o mesmo, mas aumentaram em 30% seu tamanho", estimou.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Até as vias tradicionalmente conservadas, no centro, estão com o asfalto em condições precárias, como as avenidas Higienópolis e a J.K. Antes dos temporais, em julho, o secretário de Obras, Nelson Brandão, estimava 400 quilômetros de vias urbanas de Londrina com buracos.

Leia mais:

Imagem de destaque
Quarta-feira

Julgamento em Londrina que pode cassar Mara Boca Aberta será dia 29

Imagem de destaque
Zona Sul

Homem morre e outros três ficam feridos em queda de estrutura de barracão em Londrina

Imagem de destaque
Duas vagas

UEL abre nesta sexta inscrições para concurso público de agente universitário

Imagem de destaque
Zona norte

Obra na rua Tanganica, em Londrina, interfere no trânsito e na rotina de moradores


Para tentar reduzir os buracos, a Secretaria Municipal de Obras trabalha em duas frentes: a primeira, mas imediata e menos eficiente, é a operação tapa-buracos, que tem quatro equipes executando o serviço pela cidade. Mas o próprio diretor de Pavimentação, Henrique Aires, reconhece que o trabalho não é muito eficaz. "È um trabalho que precisa ser feito constantemente, pois com as chuvas os buracos acabam se transformando em "panelas", como costumam falar", explicou.


O ideal é o recapeamento asfáltico, a segundo frente na qual a prefeitura deve operar, mas apenas quando licitações para contratar empresa que executar o serviço forem concluídas. Esse serviço deve ser pago com recursos provenientes de empréstimo do governo estadual – no total de R$ 19 milhões.

Até agora parte do recurso foi liberada para obras em 25 mil metros quadrados na Avenida Arthur Thomas, 18 mil metros quadrados no Jardim Bandeirantes e 8 mil metros quadrados no Jardim Orion, todos na zona oeste, que juntas somam R$ 1,2 milhão.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade