Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Erro médico

UPA Jardim do Sol: médicos que atenderam jovem são indiciados por homicídio culposo

Jéssica Sabbadini - Especial para a Folha
22 fev 2024 às 09:13
- Emerson Dias/N.Com
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Dois médicos que atenderam o jovem Nycolas Dias, 22, que morreu em 23 de outubro do ano passado na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Jardim do Sol, foram indiciados por homicídio culposo. A vítima foi até a unidade com uma forte tosse, inclusive com sangue, mas foi liberado. O paciente voltou no dia seguinte, mas acabou morrendo horas depois.


Segundo a Polícia Civil, os dois médicos que atenderam o jovem foram indiciados por homicídio culposo - sem a intenção de matar. De acordo com as investigações, o inquérito apontou que houve negligência e erro médico por parte dos profissionais. A pena pode variar de um a três anos de prisão.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


De acordo com relato de familiares de Dias na época dos fatos, o jovem procurou a UPA tossindo sangue e vomitou no consultório. Ele foi medicado com calmantes para um suposto quadro de ansiedade e foi liberado. Com a piora, ele retornou à unidade, passou por exame de raio-x e novamente foi liberado.

Leia mais:

Imagem de destaque
Seja um doador!

Hemocentro do HU da UEL precisa de doações de sangue tipo O- e O+

Imagem de destaque
Produtos do Município

Queijos que estão à venda na ExpoLondrina são premiados em concurso mundial

Imagem de destaque
Cinco mil encomendas

Londrina: Receita Federal apreende R$ 4 milhões em produtos nos Correios

Imagem de destaque
Durante o pôr do Sol

Ana Castela, fenômeno do agronejo, encerra temporada de shows na ExpoLondrina


Antes de o jovem sair da unidade, uma médica o teria chamado de volta e dito que ele estava com água no pulmão. Com a demora para a chegada da ambulância, ele foi medicado para dormir. Ao acordar, passou a convulsionar e morreu ainda na UPA.

Publicidade


Na época, a Secretaria Municipal de Saúde afastou os profissionais. Procurada pela reportagem nesta quarta-feira (21), a pasta preferiu não se manifestar.

Diego Silva, advogado da família de Nycolas Dias, explica que os familiares sempre questionaram a conduta dos profissionais de saúde envolvidos no caso por conta da suspeita de negligência.

Publicidade


Segundo ele, uma comissão médica de avaliação das condutas dos profissionais foi estabelecida na UPA do Jardim do Sol para analisar os prontuários médicos e os exames feitos pelo jovem e que “os resultados dessa avaliação revelaram que houve um erro de diagnóstico médico”.


Silva afirma que o “quadro clínico de Nycolas indicava um pneumotórax hipertensivo, diagnóstico diferente do que fora inicialmente considerado pela médica que esteve envolvida no caso”. O advogado ressalta que a discrepância entre os diagnósticos “levou à compreensão de que a negligência médica pode ter sido um fator contribuinte para a tragédia que resultou na perda de Nycolas".


LEIA MAIS NA FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Médicos da UPA que atenderam jovem são indiciados por homicídio culposo
Dois médicos que atenderam o jovem Nycolas Dias, 22, que morreu em 23 de outubro do ano passado na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Jardim do Sol, foram indiciados por homicídio culposo
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade