Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Contestação do processo eleitoral

Vereadora defende protesto e apoio financeiro a manifestantes no TG

Rafael Fantin - Especial para a Folha
09 nov 2022 às 11:02
- Walkiria Vieira/Grupo Folha
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Apoiadora do presidente Jair Bolsonaro (PL), a vereadora Jessicão (PP) tem usado o plenário da Câmara Municipal de Londrina para defender as manifestações que contestam o resultado das eleições democráticas no Brasil. 


Além disso, ela confirmou que tem participado dos protestos, seja nas rodovias com caminhoneiros, ou no Tiro de Guerra, onde um acampamento foi formado e faixas exibidas com pedidos de “intervenção federal” e “SOS Forças Armadas”, o que é considerado ilegal pela Constituição.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Questionada pela FOLHA, a bolsonarista defendeu a legalidade dos atos. “Se as pessoas não concordam com o processo eleitoral e acham que teve um problema, é de todo valor que elas saíam às ruas para manifestação”, respondeu.

Leia mais:

Imagem de destaque
Faça sua inscrição gratuita!

Clube das Mães Unidas divulga a programação de cursos do mês de março

Imagem de destaque
Esporte tradicional

Primeira Copa Agroplay de futebol movimenta distritos de Londrina a partir de domingo

Imagem de destaque
Eventos gratuitos

Programação Especial Mulheres começa neste sábado no Sesc Cadeião Cultural

Imagem de destaque
Crianças de 10 e 11 anos

Dia D contra a dengue terá mutirão de vacina em shopping de Londrina


Sobre a presença nos atos, a parlamentar caiu em contradição e, inicialmente, disse que acompanhava o protesto no Tiro de Guerra de “uma forma até distante” pelas redes sociais e por informações de amigos acampados no local, mas voltou atrás depois que a reportagem disse que apurou informações sobre a presença da parlamentar nas manifestações e pedidos de colaboração por parte dos manifestantes.

Publicidade


Jessicão confirmou que foi “algumas vezes” aos protestos e lamentou que não pode patrocinar os atos por conta do cargo público que ocupa. 


“Não posso ajudar financeiramente, mas gostaria. Me sinto presa e impotente no cargo de vereadora, pois considero a manifestação legítima. Mas, não consegui. Fui algumas vezes, passei no Tiro de Guerra, passei nos caminhoneiros como cidadã, que também se sente injustiçada e não acha que o processo eleitoral foi justo. Mas estive, sim, nas manifestações, mas não acampei por horas e horas ali, pois tenho que continuar dando sequência ao meu trabalho como vereadora”, declarou.


Leia a reportagem na íntegra na FOLHA DE LONDRINA.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade