Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Suspeita de corrupção

Gaeco cumpre mandado de busca na casa do delegado defensor dos animais

Bruno Souza - Estagiário*
19 jul 2022 às 14:51
- Reprodução/ Instagram
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do MP (Ministério Público) do Paraná, e a Corregedoria da Polícia Civil cumpriram, nesta terça-feira (19), na segunda fase da Operação Mônaco, mandado de busca e apreensão na casa do delegado federal Matheus Laiola, suspeito de crime de concussão, prática em que um servidor público usa de sua função para exigir vantagem indevida. Além dele, outros três ex-agentes da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente de Curitiba foram procurados.


Laiola, que é pré-candidato a deputado federal, ficou conhecido ao comandar a delegacia especializada e por seus vídeos de resgate de animais em situações de maus tratos. Devido às pretensões eleitorais, ele está afastado das funções.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O suposto crime aconteceu em fevereiro de 2019, quando o grupo, que estaria analisando uma denúncia sobre irregularidades em um posto de combustíveis de uma rede, teria apreendido um funcionário do estabelecimento e exigido R$ 50 mil para liberá-lo. Após seis horas preso, o valor teria sido diminuído para R$ 10 mil, quantia paga em dinheiro pelo dono do posto aos policiais.

Leia mais:

Imagem de destaque
Assembleia virtual

Professores da rede estadual aprovam greve para 3 de junho

Imagem de destaque
Norte Pioneiro

Donos de sítios são autuados em R$ 315 mil por destruição de vegetação de Mata Atlântica em Cambará

Imagem de destaque
Com 23%

Carlópolis é o maior produtor de café do Paraná

Imagem de destaque
Interdição temporária

Ponte na PR-450 entre Centenário do Sul e Porecatu será interditada para obras a partir de segunda


No cumprimento dos mandados nas casas de Matheus Laiola e dos investigadores, foram apreendidos as quantias de R$ 29.255, mil dólares, uma arma de fogo, 16 celulares, documentos e equipamentos eletrônicos.

Publicidade


Defesa


Matheus Laiola se defendeu pelas redes sociais. Segundo o delegado, os agentes do MP entraram em sua casa e solicitaram a entrega de objetos. Ele diz ter colaborado com a ação e estar "sereno", afirmando estar sendo perseguido.


"São fatos ocorridos há quase três anos e coincidentemente no período que me afastei da chefia da DPMA (Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente) e me tornei pré-candidato a Deputado Federal. Confio plenamente na Justiça, no entanto, não iremos ficar calados diante de tal denúncia que partiu de pessoas maldosas e que nada fizeram pelo bem da comunidade. Agradeço desde já o apoio de todos, e seguiremos ainda mais fortes no objetivo de servir e compartilhar boas ações", encerrou.


*Sob supervisão de Luís Fernando Wiltemburg

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade