Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade

Governo estuda nova resolução para ensino especial

Redação - Folha do Paraná
07 ago 2001 às 16:22
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Uma nova resolução sobre os convênios entre o governo do Estado e as escolas de ensino especial deve estar vigorando dentro de dois meses. As novas regras, a serem definidas em consenso entre as partes, começam a ser formuladas ainda esta semana. Nesta quarta-feira, às 9 horas, representantes das instituições de ensino especial e da Secretaria Estadual da Educação iniciam as rodadas de negociação.

Na segunda-feira, o governador Jaime Lerner revogou a polêmica Resolução 1596/01, baixada pela Secretaria de Educação, que causou insatisfação generalizada entre as escolas de ensino especial. O governador, que ao lado da secretária de Educação, Alcyone Saliba, recebeu os representantes de instituições, disse que resolveu revogar a resolução porque as novas medidas foram "motivo de intranquilidade por causa da desinformação".

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


De acordo com Lerner, "qualquer modificação só será feita se houver consenso entre a minha equipe e as instituições". Por enquanto, fica em vigor a antiga resolução, a 2615/96.

Leia mais:

Imagem de destaque
Jorge Guaranho

Justiça nega pedido de prisão domiciliar de bolsonarista que matou petista no Paraná

Imagem de destaque
Por mais de 10 quilômetros

Departamento de Estradas de Rodagem abre edital para obra da duplicação da rodovia entre Arapongas e Sabáudia

Imagem de destaque
Danos

IAT aplica R$ 40,2 milhões em multas por danos ambientais no 1º trimestre de 2024

Imagem de destaque
Assista ao vídeo

FAB intercepta aeronave com cocaína em Londrina; piloto é preso no interior de SP


Lerner disse que pela forma acelerada com que a equipe está trabalhando a "nova resolução estará vigorando no prazo de 10 dias". A secretária Alcyone Saliba esclareceu durante a reunião que a resolução foi interpretada erroneamente. "Jamais retiraríamos o direito dos portadores de deficiência maiores de 21 anos de possuírem ensino pedagógico. Acrescentaríamos um instrutor que daria cursos profissionalizantes", disse ela.

Publicidade


Segundo a secretária, o período integral para os alunos especiais que necessitassem de reforço e terapias também seriam mantidos pela nova resolução, e não extintos como acreditavam as escolas. Os representantes das instituições continuam entendendo que a nova resolução era uma medida arbitrária e discriminatória. "Deixava bem claro que maiores de 21 anos não teriam mais acesso ao ensino pedagógico e que não haveria mais período integral", rebateu a assessora jurídica das entidades, Angelina Matiskei.


Conforme Angelina Matiskei, os pontos conflitantes que significam avanços para o ensino especial ainda não foram analisados pela secretaria. "Precisamos definir a questão do ensino pedagógico para portadores de deficiência maiores de 21 anos. Se continuará o período integral no ensino especial e o qual será o destino dos professores especializados", disse.

A secretária já adiantou que voltou atrás na questão dos recursos distribuídos por aluno. "Vamos distribuir o dinheiro de acordo com a necessidade de cada um", expliou Alcyone. Pela nova resolução, os valores seriam iguais independente do grau de deficiência.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade