Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Produção de energia

Itaipu Binacional fecha vertedouro após ficar onze dias seguidos aberto

Redação Bonde com assessoria
11 nov 2023 às 15:58
- Sara Cheida/Itaipu Binacional
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Neste domingo (12), a Itaipu vai fechar totalmente o vertedouro, depois de onze dias de vertimento ininterrupto. O escoamento de água será reduzido gradualmente. O vertedouro foi aberto no dia 1º de novembro, para escoar o excedente de água não utilizada para a geração de energia elétrica, em função das chuvas a montante (acima) da hidrelétrica, no Rio Paraná, onde está instalada a usina. 


Segundo o superintendente de Operação da Itaipu, Rodrigo Pimenta, “a usina operou o vertedouro de forma a garantir a segurança da barragem e contribuir para mitigar o impacto das cheias na fronteira com o Paraguai, parte mais afetada pelas chuvas”, disse.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Com três calhas (esquerda, central e direita) e 14 comportas, o vertedouro tem a função descarregar toda a água não utilizada para geração. A capacidade máxima do vertedouro é de 62,2 mil m³/s, 40 vezes superior à vazão média das Cataratas do Iguaçu. A abertura do vertedouro é uma situação rara. Este ano, por exemplo, foi aberto apenas três vezes. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Região de Londrina

Proposta de novo viaduto pretende melhorar fluxo na BR-369, no Norte do Paraná

Imagem de destaque
OPORTUNIDADE

Programa 'Viaja mais 60' vai incentivar viagens turísticas para pessoas idosas no Paraná

Imagem de destaque
Primeiras regras

Paraná começa a regulamentar medicamentos à base de canabidiol

Imagem de destaque
Quarenta bichos alojados

IAT encaminha animais resgatados durante operação de combate ao tráfico


Comissão de cheias

Publicidade


Desde o início das chuvas intensas, a Itaipu mobilizou a Comissão Especial de Cheias (CEC). O grupo, formado por profissionais brasileiros e paraguaios, de diferentes áreas da empresa, foi mobilizado no dia 28 de outubro. A comissão, além de adotar estratégias para o controle da situação, emite boletins hidrológicos diários, que são repassados aos órgãos de Defesa Civil do Brasil e do Paraguai. 


A cheia do Iguaçu e o consequente represamento do Rio Paraná, no encontro dos dois rios abaixo das quedas d’água, elevou o nível do Rio Paraná, na Ponte da Amizade, até a cota de 119 metros (m) acima do nível do mar, cerca de 18 m acima do normal. 


Na sexta-feira (10), a cota baixou para 111 m. O nível do Rio Paraná, naquele ponto, não oferece risco quando está entre 101 m e 105 m acima do nível do mar. Entre 106 e 107,99 metros, entra no índice próximo a inundações. Acima disso, já provoca alagamentos em áreas próximas, principalmente em cidades paraguaias da fronteira.


Para os próximos dias, a tendência é de normalização da cota, que deve diminuir para valores inferiores a 108 m. Até que isso aconteça, a CEC continuará mobilizada para acompanhar a situação.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade