Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Ajuda humanitária

Paraná manda mais 30 caminhões-pipa para auxiliar o Rio Grande do Sul

Redação Bonde com AEN
21 mai 2024 às 10:45
- IAT
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Nesta segunda-feira (20) o Governo do Paraná encaminhou mais 30 caminhões-pipa e quatro caminhonetes 4x4 para ampliar a força-tarefa de apoio às vítimas das enchentes no Rio Grande de Sul. 


O comboio com 45 técnicos, entre servidores do IAT (Instituto Água e Terra) e agentes das prefeituras municipais que emprestaram os veículos, partiu às 8 horas de General Carneiro, no Sul do Estado, com destino a Santa Cruz do Sul, um dos municípios mais castigos pelas chuvas. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Inicialmente, o grupo ficará à disposição da Defesa Civil local até o próximo dia 29.

Leia mais:

Imagem de destaque
Faça sua doação!

Arapongas lança Campanha do Agasalho 2024

Imagem de destaque
Cincos meses de funcionamento

Central de Combate à Dengue de Apucarana é desativada

Imagem de destaque
Empreendedorismo na Educação

Assaí vence premiação nacional Prefeitura Empreendedora

Imagem de destaque
Vale do Ivaí

Rio Branco do Ivaí sedia Festival de Balonismo entre 21 a 23 de junho


Essa é a segunda remessa de veículos e equipamentos encaminhados pelo IAT em apoio às enchentes no Sul do País. Vinte e dois técnicos do órgão ambiental paranaense já estão atuando desde segunda-feira (13) em municípios como Santa Cruz do Sul, Canoas, Porto Alegre, Muçum, Lajeado, Sinimbu e Rio Pardo. O primeiro comboio contou ainda com 11 caminhões-pipa, sete caminhonetes 4x4 e cinco embarcações.

Publicidade


No total, serão 41 veículos e 70 técnicos à disposição do Governo do Rio Grande do Sul já a partir desta semana. Esse conjunto vai ser ampliado nos próximos dias, já que mais caminhões, das regionais de Ponta Grossa e Ivaiporã, vão sair do Paraná na quarta-feira (22). A quantidade ainda não foi definida. 


“O Governo do Paraná está mobilizado para amenizar o drama dos nossos irmãos gaúchos neste momento tão delicado da história do Rio Grande do Sul”, destacou o secretário de Estado do Desenvolvimento Sustentável, Everton Souza.

Publicidade


Coordenada pelo chefe do escritório regional do IAT em Irati, Jonas André Bankersen, a equipe ficará encarregada de levar água potável para a população e ajudar na limpeza urbana dos municípios da região, muitos deles castigados pela lama decorrente das chuvas. O IAT é vinculado à Sedest (Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável). 


Publicidade

“A ideia é de servir, não importa como, por isso nos mobilizamos. Um comboio ainda maior para levar essa ajuda que o Rio Grande tanto necessita”, disse Bankersen.


Há, ainda, um outro braço paranaense atuando no apoio logístico aos gaúchos. Dezoito servidores, sete caminhonetes e cinco barcos estão sediados em Canoas para colaborar com o resgate de pessoas e animais; na distribuição de alimentos, água e medicamentos; e no transporte de insumos e mantimentos. Essa operação é comandada pelo chefe regional do IAT de União da Vitória, Augusto Arruda Lindner. “São diversas frentes de resgate: pessoas, animais e auxílio a outros órgãos, assim como na distribuição de insumos como alimentos”, disse.

Publicidade


Imagem
Pesquisa eleitoral mostra empate técnico entre cinco pré-candidatos à Prefeitura de Londrina
A menos de cinco meses do primeiro turno das eleições municipais, a corrida pela sucessão do prefeito Marcelo Belinati (PP) está acirrada.


CAMINHÕES


Os caminhões-pipa integram o projeto Patrulha Ambiental, inciativa da Sedest executada pelo IAT. Desde 2019, foram entregues aos municípios 733 veículos, entre caminhões-baú, compactadores, modelos limpa-fossas, caminhões-pipa e poliguindastes, totalizando um investimento de R$ 206,8 milhões.

Publicidade


“O que queremos levar um pouco de apoio, conforto e estrutura. Esses caminhões, por exemplo, já estão agilizando a limpeza das cidades e fazendo com que, aos poucos, a vida dos gaúchos comece a voltar para o rumo”, destacou o diretor-presidente do IAT, José Luiz Scroccaro.


Publicidade

CAMPANHA


Além do apoio logístico, o IAT organizou a campanha solidária “Um alimento por uma muda”, ação que buscava angariar donativos para as vítimas das enchentes em troca de uma planta de espécies nativas do Paraná. 


Em pouco mais de uma semana de mobilização foram arrecadadas sete toneladas de alimentos não perecíveis; 5,2 toneladas de ração para cães e gatos; 6,1 mil litros de água mineral; 3,5 mil produtos de higiene e limpeza; e 6,5 mil peças de vestuário e calçados; além de colchões e cobertores.


Os insumos foram encaminhados para o Corpo de Bombeiros do Paraná, que se responsabilizou por enviar ao Rio Grande do Sul. A iniciativa integrou a campanha SOS RS, liderada pela primeira-dama Luciana Saito Massa, e operacionalizada pela Coordenadoria Estadual da Defesa Civil. O IAT é vinculado à Sedest.


AÇÕES 


O Paraná tem prestado apoio às cidades gaúchas com o envio de forças de segurança, equipamentos e alimentos. Além de dezenas de bombeiros para trabalhar nos resgates, foram enviados policiais militares para ajudar a coibir roubos e saques nos locais mais afetados, policiais civis para apoiar as autoridades locais e profissionais da Polícia Científica. 


Por meio da Defesa Civil, já foram enviados mais de 8,4 mil toneladas de alimentos e mantimentos arrecadados pela campanha SOS RS.


O Governo do Estado enviou também viaturas, caminhões-tanque, embarcações e helicópteros para o Rio Grande do Sul, que estão sendo usados em diversas frentes de trabalho, além de bolsas de sangue, medicamentos e profissionais de outras áreas.


De acordo com o governo do Rio Grande do Sul, 463 municípios gaúchos tiveram estragos registrados decorrentes das chuvas. Segundo o boletim divulgado pelo governo gaúcho na manhã desta segunda-feira (20), 76.188 pessoas estão em abrigos e 581.633 estão desalojadas. Ao todo, 157 pessoas morreram, 88 estão desaparecidas e 806 se feriram.


Imagem
Escolas municipais de Londrina se mobilizam para arrecadar doações para o Rio Grande do Sul
Maio de 2024. Os prejuízos oriundos das enchentes no Rio Grande do Sul não podem ser avaliados em sua totalidade até o momento. Nem emocionais, nem os materiais. O rastro de destruição em municípios inteiros causa consternação e requer atitude.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade