01/10/20
PUBLICIDADE
Qualidade do ar

Paraná suspende por 30 dias queimada de cana-de-açúcar

Arquivo/AEN-PR
Arquivo/AEN-PR


O IAT (Instituto Água e Terra) suspende por 30 dias a prática de queima controlada como método para a despalha de cana-de-açúcar no Estado do Paraná. A medida visa a defesa da qualidade do ar e da vida e o combate a todas as formas de poluição, inclusive a atmosférica. O IAT é vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo.


O documento (Portaria nº 221/2020), publicado nesta quinta-feira (6), levou em consideração uma soma de fatores, como a estiagem que o Estado vive atualmente, problemas respiratórios que podem ser causados pelas queimadas com o clima seco, e a baixa visibilidade nas estradas que é provocada pela fumaça.

"Problemas respiratórios podem ser graves neste momento de pandemia do coronavírus”, disse a gerente de Licenciamento Ambiental do IAT, Ivonete Chaves. "Outro problema que as queimadas podem acarretar com o clima seco é a grande intensidade de neblina nas estradas, especialmente à noite, podendo causar acidentes graves”, acrescentou.

O Norte Pioneiro e o Norte do Estado são regiões com bastante neblina e as queimadas normalmente são feitas em áreas próximas às estradas.

O Paraná tem cerca de 600 mil hectares de produção de cana-de-açúcar, a maioria à beira de estradas, e 21 usinas em atividade.

"A queimada da cana-de-açúcar aumenta significativamente a concentração de material particulado no ar, conhecido como fuligem, inclusive perceptível visualmente, podendo impactar na saúde do ser humano e nas condições de tráfego de rodovias”, afirmou o diretor-presidente do IAT, Everton Luiz da Costa Souza.

Toda e qualquer queimada altera e viola os padrões da qualidade do ar, acrescenta Souza.

No Paraná, o Decreto Estadual nº10.068 de 2014 determina que as indústrias e produtores de cana-de-açúcar têm até 2025 para deixar de queimar o produto e fazer a colheita de forma mecanizada.

"A maior parte dos produtores no Estado já trabalham com maquinário, apesar de ter um custo mais elevado. Mas todos devem se adequar a essa norma para contribuir com o meio ambiente e a saúde da população”, disse Ivonete Chaves.
AEN-PR
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Fatalidade
Londrina tem luto de três dias por professora que morreu em acidente em Ibiporã
01 OUT 2020 às 11h22
Maior alta de 2020
Cesta básica fica 9,6% mais cara em Londrina
01 OUT 2020 às 10h39
Pesquisa da UTFPR
Londrina encerra agosto com saldo positivo de empregos
01 OUT 2020 às 10h32
Caso Sandra Mara Curti
Justiça nega pedido de exumação feito por homem que matou ex-esposa a facadas em Londrina
01 OUT 2020 às 10h25
Análise
Número de policiais e militares candidatos é o maior em 16 anos
01 OUT 2020 às 09h58
Máximas 5,7º mais altas
2020 teve o mês de setembro mais quente registrado pelo Iapar em Londrina
01 OUT 2020 às 09h52
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados