08/05/21
PUBLICIDADE
Deu falta

Professores da rede estadual denunciam falhas em novo sistema de registro de frequência




Professores da rede estadual de ensino do Paraná temem receber descontos nos salários por conta de supostas falhas no sistema instituído no início deste mês pela Seed (Secretaria de Estado da Educação e do Esporte) para o registro da presença nas aulas remotas. Para a Seed, o novo sistema veio para dar mais autonomia aos diretores das escolas, que, até o momento, não possuíam uma só ferramenta para verificar a presencialidade dos docentes nas aulas remotas durante a pandemia. Já o NRE (Núcleo Regional de Educação) de Londrina disse que nenhum professor que cumpriu o horário corretamente será prejudicado. Mesmo assim, pedidos de providências foram protocolados no Ministério Público do Trabalho e no Ministério Público do Paraná para evitar descontos nos vencimentos.



A resolução com os novos critérios para o registro de frequência foi publicada no dia 11 de março e as novas regras passaram a valer no último dia 29. Ficou estabelecido que a presença será confirmada mediante a realização das aulas através da plataforma Google Meet, com, no mínimo, 40 minutos de duração cada. No documento, ficou estabelecido que a instabilidade no serviço de internet da "instituição de ensino” abonaria da falta do professor, além de motivos já previstos, como afastamento por problemas de saúde, entre outros. Além de reafirmar que a responsabilidade é dos diretores das escolas, o documento nada estabelece sobre problemas com a rede ou energia elétrica na residência dos professores, há um ano e quatro meses com aulas remotas.



Procurada pela reportagem, a professora de Língua Portuguesa e Língua Inglesa em Londrina, Sheila Aoki, 47, possui carga horária de 27 horas por semana. Mesmo tendo ministrado todas as aulas normalmente, contou que várias faltas foram registradas. "Foi falado que essas faltas serão justificadas, o que não pode acontecer, pois falta prejudica o professor depois e nós não faltamos. É muito injusto. No meu caso, são três dias consecutivos, sendo dois que dou 11 aulas por dia de 40 minutos”, lamentou.



Mãe e professora, contou que vive as duas realidades. Em frente ao computador diariamente no período entre 7h15 e 17h, avaliou que os professores estão "esgotados" e que essas faltas deveriam ser abonadas. "Mais uma vez colocar o professor como linha de frente dos problemas é muita injustiça", lamentou.

LEIA MAIS NA FOLHA DE LONDRINA
Vitor Struck - Grupo Folha
Continue lendo
1,1 milhão de contemplados

INSS paga revisão do artigo 29 de 2021 em lote de R$ 925 milhões

07 MAI 2021 às 18h00
Reflexos da crise

Bancos projetam aumento de inadimplências nos próximos meses

07 MAI 2021 às 17h46
Nesta sexta

Três homens morrem durante confronto com a PM na PR-170

07 MAI 2021 às 17h36
Quer economizar?

População pode se cadastrar para receber desconto no pedágio de Arapongas

07 MAI 2021 às 16h40
De vendedor a eletricista

Sine de Rolândia oferta empregos em 38 funções

07 MAI 2021 às 16h22
Dia das mães especial

Mulher dá à luz trigêmeos no HU de Londrina e completa sete filhos

07 MAI 2021 às 16h00
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados