20/10/20
PUBLICIDADE
Casas destruídas

Satélite do Simepar registra passagem de tornado pelo Paraná

Imagens do radar meteorológico mostraram a formação de um tornado no Sudoeste do Estado na segunda-feira. Área rural de Chopinzinho sofreu estragos

O Simepar confirmou no início da tarde desta terça-feira (22) que os satélites do instituto registraram a formação de um tornado no Sudoeste do Paraná por volta das 15h na segunda-feira (21).

O tornado foi registrado na área rural do município de Chopinzinho, onde as casas de moradores foram destruídas pela força do vento. "Todas as características técnicas configuram com a formação do tornado. Quando a tempestade acontece em uma área rural, o tornado provoca menos destruição com menos registros da população", explicou a meteorologista do Simepar, Sheila Paz.


De acordo com ela, o radar meteorológico registro uma formação semelhante a um gancho que se deslocou no sentido noroeste para sudeste durante a tarde de segunda-feira. "A chance de ser um tornado é de mais de 90%. Para o instituto obter mais informações e detalhes, uma equipe teria que se deslocar até a região para analisar o evento e o rastro da tempestade", afirmou.

Reprodução/Simepar
Reprodução/Simepar


Em cinco estações meteorológicas do Simepar entre Noroeste, Oeste e Sudoeste do Paraná, os ventos chegaram próximo ou ultrapassaram os 100 quilômetros por hora. Em Marechal Cândido Rondon, os ventos atingiram 119 quilômetros por hora, maior velocidade registrada na segunda-feira no Estado. Em Dois Vizinhos, cidade na região de Chopinzinho, a ventania ultrapassou os 106 quilômetros por hora. "Durante um tornado, os ventos chegam a uma velocidade maior do que as registradas na última tarde", comentou Sheila, que ainda lembrou que a cidade de Chopinzinho não possui radar meteorológico para registrar as informações sobre o clima.

Rádio Chopinzinho
Rádio Chopinzinho - Foto cedida ao Portal Bonde pela emissora Rádio Chopinzinho
Foto cedida ao Portal Bonde pela emissora Rádio Chopinzinho


Questionada sobre as chuvas acompanhadas com ventos de alta velocidade, a meteorologista esclareceu que as tempestades sempre aconteceram no Estado, principalmente no Oeste. Para ela, o que mudou foi a possibilidade de registros e a tecnologia para confirmar os fenômenos da natureza. "Hoje, a pessoa tem um celular e pode registrar a tempestade com uma foto ou vídeo. Os recursos e tecnologia disponíveis nos institutos de meteorologia também avançaram. Além disso, locais afastados e áreas rurais estão mais habitados", analisou.
Rafael Fantin - Redação Bonde
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Cuidado na internet!

Nucria alerta para aliciadores de menores em jogo de celular

20 OUT 2020 às 19h01
Governador de SP

João Doria tem bens bloqueados pela Justiça em processo por improbidade

20 OUT 2020 às 17h21
Geração de renda

Empresa de colágeno e gelatina promete criar 350 empregos em Ibiporã

20 OUT 2020 às 15h14
Campanha

Sema promove ação para coleta de pneus usados; saiba como se desfazer gratuitamente

20 OUT 2020 às 15h13
Pesca proibida

Defeso da piracema começa em 1º de novembro no Paraná

20 OUT 2020 às 14h46
Plenário do STF

Eleitor não será obrigado a portar o título para votação

20 OUT 2020 às 14h22
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados