Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Ele não lembra

Carli Filho é indiciado por homicídio doloso

Rosiane Correia de Freitas/Equipe Folha
10 jun 2009 às 09:46
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O ex-deputado estadual Fernando Ribas Carli Filho (PSB) foi indiciado nesta terça-feira (9) por homicídio doloso eventual pelo delegado de Delitos de Trânsito, Armando Braga. O político prestou depoimento em um apart-hotel, em São Paulo, e declarou que não lembra de nenhum acontecimento da noite do dia 7 de maio, quando se envolveu em um acidente que resultou na morte de dois jovens.

''Ele disse que só lembra de ter visitado o pai naquele dia e depois de ter acordado em um quarto branco e de ter sido informado que era uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva)'', contou o delegado. ''A perda da memória, segundo os médicos, é decorrente do acidente e da forte lesão na cabeça'', informou.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Segundo Braga, o ex-deputado apresentou dificuldade para falar durante o depoimento. ''Ele está com a fala lenta'', explicou. O ex-deputado, diz o delegado, deve ficar pelo menos mais dez dias em São Paulo por recomendação médica.

Leia mais:

Imagem de destaque
Saiba mais

Diretrizes do Brasil preveem câmera corporal ligada em confronto e mais 15 situações

Imagem de destaque
No caminhão

PRF e PF apreendem 2,5 toneladas de maconha na região de Londrina

Imagem de destaque
Répteis exóticos

Polícia Federal investiga grupo que usava Correios para traficar animais

Imagem de destaque
Após denúncia

Polícia Militar fecha bingo clandestino que funcionava no Centro de Londrina


Durante o depoimento, Carli Filho declarou que não lembra de ter consumido bebida alcóolica na noite do acidente nem a velocidade em que estava no momento da batida. Depois do depoimento, Braga decidiu pelo indiciamento do ex-parlamentar por homicídio doloso por entender que Carli assumiu o risco ao dirigir embriagado.

Publicidade


A decisão tem base nas informações colhidas durante a investigação como o exame de dosagem alcóolica do sangue do ex-deputado que mostrou que ele havia consumido álcool no dia do acidente. Depoimentos de funcionários do restaurante Edvino, onde o ex-parlamentar jantou na noite do acidente, e dos bombeiros qe realizaram o atendimento logo após a colisão também corroboram a tese de que Carli Filho estaria alcoolizado.


O delegado não quis apontar uma data para conclusão do inquérito. ''Tenho mais 30 dias para concluir os trabalhos. Tenho que receber os laudos periciais e a reconstituição antes disso'', informou. O advogado de Carli Filho, Roberto Brzezinski, que acompanhou o depoimento, não quis comentar o indiciamento do político.


Para o advogado da família Gilmar Rafael Yared, que morreu no acidente, Elias Mattar Assad, o depoimento de Carli Filho foi ''uma forma de exercitar o direito de ficar em silêncio''. ''Creio que ele só vá lembrar só as coisas que interessam'', disse.

Assad acredita que a a ''amnésia'' do ex-deputado é uma ''estratégia suicida''. ''Ele se travestiu de vítima para renunciar ao mandato de deputado e agora usa esse artifício para ficar em silêncio'', declarou. ''Mas para nós isso (o depoimento) é bom porque não há mais nada segurando o inquérito'', completou.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade