Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
'Surreal'

Gaeco cumpre mandados em operação contra agiotagem e lavagem de dinheiro em Londrina e região

Redação bonde com assessoria
30 ago 2022 às 11:04
- Divulgação/MPPR
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) de Londrina cumpre na manhã desta terça-feira (30) dez mandados de busca e apreensão dentro da segunda fase da Operação Surreal, que investiga a prática dos crimes de extorsão, agiotagem, disparos de arma de fogo, lavagem de dinheiro, corrupção passiva e ativa e associação criminosa.


Expedidos pelo Juízo de Direito da 4ª Vara Criminal de Londrina a pedido do Ministério Público, os mandados são cumpridos nos municípios paranaenses de Londrina, Arapongas, Ibiporã, Jataizinho, Matinhos e Tamarana e em Bataguassu (MS).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Investigações

Leia mais:

Imagem de destaque
Sem documentação de origem

Ônibus é apreendido com mercadorias contrabandeadas na região de Londrina

Imagem de destaque
R$ 90 Milhões em droga

Meia tonelada de cocaína é apreendida pela polícia na região de Maringá

Imagem de destaque
65 policiais envolvidos

Grupo ligado ao tráfico de drogas é alvo de operação em Maringá nesta sexta

Imagem de destaque
Duas ações diferentes

Polícia Civil apreende seis armas de fogo e munições em Ibiporã


As investigações da Operação Surreal tiveram início em fevereiro de 2021, após o Gaeco de Londrina receber notícia de disparos de arma de fogo contra vítimas de suposta extorsão, com possível envolvimento de agentes públicos. 

Publicidade


Com a deflagração da primeira fase da Operação Surreal, em março de 2022, foi identificada a existência de falsa empresa de factoring (fomento mercantil) utilizada para prática de agiotagem,  registrada em nome de “laranjas”, para ocultar os reais autores dos delitos.


A continuidade das apurações revelou a existência de lavagem de dinheiro, com uso de pessoas físicas e jurídicas para ocultação de bens e valores provenientes de crime contra a economia popular. Um dos investigados chegou a receber R$ 30 mil para figurar como proprietário “laranja” de grande empreendimento imobiliário na região de Ibiporã.

Publicidade



Corrupção


As buscas feitas nesta terça objetivam apurar também possíveis crimes de corrupção passiva e ativa para obtenção de licenças ambientais e autorização para loteamento em Jataizinho, razão pela qual a residência e o gabinete de um servidor público da prefeitura local estão entre os alvos da operação.


As investigações já resultaram no sequestro judicial de sete imóveis registrados em nome de pessoas jurídicas vinculadas aos investigados, para garantir a recuperação de ativos provenientes de infrações penais.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade