Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Saiba mais

Operação Parasitas da PF combate ao contrabando de cigarros e lavagem dinheiro na região de Londrina

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
05 jul 2022 às 06:42
- TV Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A PF (Polícia Federal) deflagrou nesta terça-feira (5) a Operação Parasitas, com o objetivo de combater um grupo criminoso que atua no contrabando de cigarros e lavagem de dinheiro na região de Londrina. Estão sendo cumpridos 20 mandados de busca e apreensão, dos quais 17 na região de Londrina, um em Maringá (Noroeste), um em Guaíra (Oeste) e um em Agudos (SP), assim como três mandados de prisão expedidos contra os líderes do grupo.


Conforme a PF, nas buscas, foram apreendidos documentos e materiais relacionados com a prática criminosa, bem como veículos adquiridos com o dinheiro oriundo do crime. Houve ainda o bloqueio judicial de bens móveis e imóveis e de recursos financeiros mantidos nas contas dos investigados até o limite de R$ 15 milhões.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Como agiam

Leia mais:

Imagem de destaque
Conscientização

Polícia Militar apreende quatro carros e uma moto em blitz em Londrina

Imagem de destaque
Crime milionário

Homem suspeito de participar de assalto ao Banco Central é preso em Londrina

Imagem de destaque
Confronto com a Polícia Militar

Homem ameaça família, ex-companheira e policiais com faca e acaba morto em Londrina

Imagem de destaque
Integrante de quadrilha

Jovem de 19 anos é presa por furtar materiais de construção em loja de Londrina


De acordo com a PF, o  grupo buscava os cigarros no Paraguai e os distribuíam para clientes em várias regiões do Paraná e São Paulo. O lucro era utilizado na aquisição de bens como carros, Jet Ski, moto, caminhões e imóveis.

Publicidade


“Esses registros, normalmente são feitos em nome de laranjas, de empresas de fachadas, justamente para evitar que as autoridades possam alcançar esses recursos”, diz o delegado, destacando que alguns integrantes já haviam sido presos tanto no Paraná quanto em São Paulo, com carteiras de cigarro.


“Muitas vezes, quando as pessoas são presas em flagrantes, elas conseguem benefícios como uma liberdade provisória e, infelizmente, acabam retornando para o crime. Elas certamente vão responder ainda por aqueles crimes, mas a investigação que estamos levando agora é da lavagem de dinheiro que foi obtido com esse contrabando realizado anteriormente”, completa.

Publicidade


O contrabando de cigarros, além de causar danos ao Erário, é gerador de uma série de consequências nocivas à sociedade, com reflexos diretos e graves na saúde pública. Por isso, a ação policial foi denominada “Parasitas”. Somadas, as penas previstas para os delitos de contrabando, associação criminosa e lavagem de dinheiro podem chegar a 18 anos de reclusão.



Leia mais na Folha de Londrina.


Atualizado às 13h57.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade