Pesquisar

Canais

Serviços

- Divulgação/Aen
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Em Maringá

Polícia prende quadrilha que vendia material cirúrgico usado

Redação Bonde com AEN
24 set 2019 às 16:04
Continua depois da publicidade

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) cumpriu nesta terça-feira (24), doze mandados judiciais contra uma quadrilha suspeita de reaproveitar materiais de uso único (descartáveis) utilizados em cirurgias urológicas. Os investigados revendiam os produtos de forma clandestina para médicos de todo o Estado.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

A operação batizada como Autoclave aconteceu em Maringá, Mandaguaçu e Sarandi, na região Noroeste. As investigações iniciaram em março deste ano, após uma denúncia em Ponta Grossa, nos Campos Gerais.

Continua depois da publicidade


Ao longo da ação foram cumpridos três mandados de prisão preventiva, dois de prisão temporária e sete de busca e apreensão. Diversos materiais cirúrgicos e documentos foram apreendidos.


Os principais alvos da operação são ex-funcionários de empresas que fornecem equipamentos e materiais cirúrgicos para médicos do Paraná. Um empregado de uma empresa de esterilização também foi preso temporariamente durante a operação.


Conforme apurado, o grupo criminoso se apossava de materiais cirúrgicos que deveriam ir para o descarte, após serem usados em procedimentos cirúrgicos, e os mandava para esterilização. Depois, negociavam o material diretamente com médicos por um valor abaixo do mercado, sem que a empresa na qual prestavam serviço ter conhecimento.

Continua depois da publicidade


No curso das diligências, a PCPR identificou atuação dos suspeitos em diversos municípios do Estado, como Campo Mourão e Cianorte, na região Noroeste, e também Pato Branco e Francisco Beltrão, na região Sudoeste.


As investigações devem continuar, com o intuito de apurar o possível envolvimento de médicos com o esquema criminoso.

Os cinco homens presos na ação, com idades entre 26 e 51 anos, foram indiciados por adulteração de produtos destinados a fins terapêuticos e medicinais, indução de consumidor a erro, falsidade ideológica e associação criminosa. Se condenados, podem pegar de 17 a 28 anos de reclusão.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade