Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Cambé

Sangue encontrado em carro seria de mulher atirada de ponte

Rafael Machado - Grupo Folha
17 jul 2019 às 07:40
- Arquivo FOLHA
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Um exame feito pelo Instituto de Criminalística identificou "resquícios de substância de coloração marrom-avermelhada" no tapete do porta-malas de um Santana vermelho, modelo 1995, carro que a Polícia Civil de Cambé afirma ter sido usado por Abraão Issa Nader, 37 anos, para levar Janete Pereira dos Santos até a Estrada da Prata, já perto de Bela Vista do Paraíso, e jogá-la de uma ponte na noite de 8 de junho. O laudo foi anexado ao processo criminal que corre na Justiça. Denunciado por tentativa de homicídio duplamente qualificado, o homem continua preso.


O documento não constatou a origem genética do material coletado. A revelação só virá após análise do Laboratório de Genética Molecular Forense, no Instituto Médico Legal de Curitiba. "Saberemos se é mesmo sangue somente depois desta comprovação laboratorial", explicou o perito criminal Luciano Bucharles, que fez a vistoria no veículo. Ele não encontrou fios de cabelo que seriam de Janete no compartimento traseiro.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia Mais
Mulher foi jogada de ponte por dívida com motorista, diz polícia

Leia mais:

Imagem de destaque
No sábado

Após denúncia, PRF encontra corpo na BR-153, em Jacarezinho

Imagem de destaque
Condutor foi preso

Polícia Rodoviária Estadual apreende 120 caixas de cigarro na PR-444, em Arapongas

Imagem de destaque
EM PENSIONATO

Estudante de medicina brasileiro é encontrado morto em quarto no Paraguai

Imagem de destaque
Decisão provisória

Justiça proíbe líder de suposta ONG em Maringá de pedir dinheiro para tratamento de animais


Homem que jogou mulher de ponte é denunciado

De acordo com o delegado Roberto Fernandes de Lima, responsável pela investigação, o resultado da perícia em nada altera o entendimento da polícia sobre o crime cometido por Abraão Nader. "Nesse caso, o trabalho da Criminalística tem o cunho de confirmação, mas não o de negação. Ou seja, sendo positiva, confirmaria a presença de sangue dela no porta-malas. Sendo negativa, não significa que ela não esteve lá", assegurou.

Publicidade


No inquérito policial, Lima concluiu que Janete quase foi morta porque estava devendo R$ 30 para o acusado, que tinha alugado um imóvel para a vítima. Durante interrogatório na delegacia, ele negou o crime, mas admitiu ter brigado com a mulher em um bar antes de colocá-la no Santana e trafegar até a ponte localizada na estrada rural. O delegado afirmou que o homem ainda amarrou a inquilina nas mãos e nos pés com fios elétricos.


Janete dos Santos disse que conseguiu se desgarrar e pedir socorro em uma fazenda. Uma pessoa que passava perto do local da agressão viu a ferida e chamou a polícia. Desde o começo da ação, a defesa de Abraão nega o crime. O advogado Bruno Vinícius Alves Passos informou que, como o acusado trabalhava com dedetização, acredita que "essa mancha é derivada de algum produto utilizado em seu trabalho". A Justiça já marcou para o dia 27 de agosto, às 15h, a primeira audiência de instrução do caso.

(atualizada às 10h30)


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade