Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Entenda

Alexandre de Moraes suspende sigilo de reunião de Bolsonaro e ministros em que se discutiu o golpe

Mônica Bergamo - Folhapress
09 fev 2024 às 14:49
- Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes suspendeu o sigilo do vídeo que mostra uma reunião em que o então presidente Jair Bolsonaro (PL) convoca seus ministros a fazerem "alguma coisa" antes das eleições presidenciais de 2022 para impedir a vitória de Lula.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque

Presidente Lula sanciona, com veto, projeto que proíbe saidinha de presos

Imagem de destaque
Em primeiro turno

Câmara aprova projeto para inclusão de surdos em concursos públicos em Londrina

Imagem de destaque
Frente Parlamentar da Agropecuária

ExpoLondrina: Arthur Lira fala em incômodo com ‘interferências do Judiciário'

Imagem de destaque
Julgamento de cassação

Juízes do caso Moro no TRE evitam Lava Jato, mas fazem comentários sobre operação

"Diante de inúmeras publicações jornalísticas com a divulgação parcial e editada de trechos da reunião ocorrida em 5 de julho de 2022 entre o ex-presidente Jair Bolsonaro e seus ministros, que faz parte das investigações sobre a tentativa de golpe de Estado e de abolição violenta do Estado Democrático de Direito (PET 12.100), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), tornou pública a íntegra do vídeo", afirma a corte, em comunicado.

Publicidade


No encontro, Bolsonaro diz que o Brasil viraria um caos caso o PT assumisse o poder, ataca ministros STF e insinua que as eleições brasileiras seriam fraudadas. "Os caras estão preparando tudo, pô, pro Lula ganhar no primeiro turno. Na fraude", diz o então presidente.


"Não adianta eu ter 80% dos votos. Eles vão ganhar as eleições", seguiu.

Publicidade


O vídeo foi apreendido pela PF no computador do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro.


Trechos da reunião foram obtidos e publicados em primeira mão pela colunista Bela Megale, do jornal O Globo, na madrugada desta sexta (9).

Publicidade


Foram divulgados também, nesta manhã, pelo repórter Túlio Amâncio, da Band Brasília.


A Polícia Federal afirma que o encontro, que reuniu a alta cúpula do governo, teve como finalidade cobrar dos presentes conduta ativa na promoção ilegal de desinformação e ataques à Justiça Eleitoral.

Publicidade


"Essa narrativa serviu, como um dos elementos essenciais, para manter mobilizadas as manifestações em frente às instalações militares, após a derrota eleitoral e, com isso, dar uma falsa percepção de apoio popular, pressionando integrantes das Forças Armadas a aderirem ao golpe de Estado em andamento", segue a PF.


Veja, abaixo, seis trechos da reunião:

Publicidade


No primeiro, Bolsonaro diz que o país vai virar uma guerrilha se Lula vencer: "Nós sabemos que se a gente, se a gente reagir depois das eleições vai ter um caos no Brasil, vai virar uma grande guerrilha, uma fogueira no Brasil. Agora, alguém duvida que a esquerda, como está indo, vai ganhar as eleições? Não adianta eu ter 80% dos votos. Eles vão ganhar as eleições."


No segundo, ele ataca os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e do TSE (Tribunal Superior Eleitoral): "Os caras estão preparando tudo, pô, pro Lula ganhar no primeiro turno. Na fraude. Vou mostrar como e por que. Alguém acredita aqui em Fachin, Barroso e Alexandre de Moraes? Se acreditar, levanta o braço. Acredita que eles são pessoas isentas? Que estão preocupados em fazer justiça, seguir a Constituição? De tudo o que vocês estão vendo?", diz. Em seguida, emenda: "Eu vou explicar a cagada. Cagada do bem, deixar bem claro. Como é que eu ganho uma eleição, um fodido como eu? Deputado do baixo clero, escrotizado dentro da Câmara, sacaneado, gozado, uma porra de um deputado."

Publicidade


No terceiro, ele afirma que ele e os ministros terão que "fazer alguma coisa antes" das eleições: "Todos aqui têm uma inteligência bem acima da média. Todos aqui, como todo povo ali fora, têm algo a perder. Nós não podemos, pessoal, deixar chegar as eleições e acontecer o que está pintando, está pintando. Eu parei de falar em voto imp... em eleições há umas três semanas. Vocês estão vendo agora que... Eu acho que chegaram à conclusão. A gente vai ter que fazer alguma coisa antes."


No quarto, ele afirma que é impossível atestar a lisura das eleições: "Acho que não tem bobo aqui. Pô, mais claro do que tá aí? Mais claro? Impossível. Eu acredito que essa proposta de cada um da Comissão de Transparência Eleitoral tem que... quem responde pela CGU vai, quem responde pelas Forças Armadas aqui... é botar algo escrito, tá? Pedir à OAB. Vai dar... a OAB vai dar credibilidade pra gente, tá? Polícia Federal... dizer... que até o presen... uma nova conjunta com vocês, com vocês todos... topam? Que até o presente momento, dadas as condições de... de... se definir a lisura das eleições são simplesmente impossíveis de ser atingidas.


No quinto, ele afirma que "para nós foi excelente" o TSE convocar as Forças Armadas para fiscalizar a transparência das eleições: "O TSE cometeu um erro quando convidou as Forças Armadas a participar da Comissão de Transparência Eleitoral. Cometeram um erro. Eles erraram. Para nós foi excelente. Eles se esqueceram que eu sou o chefe supremo das Forças Armadas."


No sexto, ele volta a dizer que é preciso reagir, porque os caras "não estão de brincadeira". "Vocês sabem o que está acontecendo. Achando que esses caras estão de brincadeira? Ah, vamos lá, não estão de brincadeira! O que está em jogo é o bem maior que nós temos enquanto estamos aqui na terra, hein? A porra da liberdade! Mais claro impossível. Nós vamos ter que reagir!"


Na mesma reunião, Bolsonaro segue fazendo ataques aos ministros do TSE Edson Fachin, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso.


E insinua que os magistrados poderiam até estar recebendo dinheiro para atuar.


"Pessoal, perder uma eleição não tem problema nenhum. Nós não podemos é perder a democracia numa eleição fraudada! Olha o Fachin. Os caras não têm limite. Eu não vou falar que o Fachin tá levando 30 milhões de dólares. Não vou falar isso aí. Ou que o Barroso tá levando 30 milhões de dólares. Não vou falar isso aí. Que o Alexandre de Moraes tá levando 50 milhões de dólares. Não vou falar isso aí. Não vou levar pra esse lado. Não tenho prova, pô! Mas algo esquisito está acontecendo", diz Bolsonaro.


Os ministros do governo não respondem.


Os vídeos da reunião são considerados cruciais pela PF, que aponta uma "dinâmica" golpista na alta cúpula do governo.


Na decisão em que autorizou as operações de busca e apreensão e as prisões contra aliados de Bolsonaro, o ministro Alexandre de Moraes afirma que a reunião comandada pelo ex-presidente "nitidamente revela o arranjo de dinâmica golpista no âmbito da alta cúpula do governo, manifestando-se todos os investigados que dela tomaram parte".


Além de Bolsonaro, também o general Braga Netto, então ministro da Casa Civil, o general Augusto Heleno, que então comandava o Gabinete de Segurança Institucional, e o então ministro da Justiça, Anderson Torres, fazem falas que colocam em dúvida a lisura do processo eleitoral brasileiro.


Imagem
Gusttavo Lima compra SAF do Paranavaí
O cantor Gusttavo Lima confirmou nesta sexta-feira (9) que entrou na SAF (Sociedade Anônima do Futebol) do ACP (Atlético Clube Paranavaí), time paranaense de Paranavaí (Noroeste).
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade