Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Questionaram a declaração

Ministra da Igualdade Racional diz que 'buraco negro' é termo racista e provoca reações na internet

- Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
Folhapress
03 nov 2023 às 11:50
Publicidade
Publicidade

A ministra Anielle Franco, da Igualdade Racial, disse que o termo "buraco negro" pode ser utilizado de uma forma racista. A afirmação foi feita nesta quarta-feira (1º) durante o programa "Bom Dia, Ministro", da EBC, e provocou reações na internet.


Anielle falava sobre a importância de ter professores e políticos que sejam antirracistas quando citou termos e palavras que podem ser ofensivas a pessoas negras.

Publicidade
Publicidade

"Isso vai desde você fazer uma fala que agrida e que, às vezes, você nem percebe. Hoje existem muitas palavras que a gente tem tentado muito, sempre que a gente pode, comunicar de maneira bem tranquila: essa palavra é racista", disse.

Leia mais:

Imagem de destaque
Eleições 2024

Justiça Eleitoral está preparada para combater fake news, afirma juíza de Londrina

Imagem de destaque
"Não precisamos de recursos"

Bolsonaro dispensa vaquinha para ato e desautoriza pedir dinheiro em seu nome

Imagem de destaque
Mortes suspeitas

Relembre mortes misteriosas na Rússia desde início da Guerra da Ucrânia

Imagem de destaque
Acusação de nepotismo

Denúncia contra Mara Boca Aberta vai seguir para o plenário da Câmara de Londrina

"Por exemplo, denegrir é uma palavra que o movimento negro e as pessoas que têm letramento racial não usam, de forma nenhuma. Ou, por exemplo, saímos desse buraco negro, a gente escuta muito isso."

Publicidade
Imagem
Bolsonaro e Braga Netto são condenados pelo TSE por uso político do 7 de setembro
O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) condenou na terça-feira (31) o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o general Braga Netto (PL) à inelegibilidade por oito anos devido ao uso eleitoral das comemorações de 7 de setembro de 2022.


Internautas questionaram a declaração e compartilharam explicações relacionadas ao uso científico do termo buraco negro.

Nas redes sociais, os críticos da ministra afirmavam que o termo é usado para definir um objeto no espaço que tem um campo gravitacional tão forte que nem mesmo a luz escapa dele, por isso o termo negro.

Publicidade

Para internautas, houve exagero da ministra, já que consideram o termo científico, não existindo nenhuma conotação relacionada à cor de pele ou agressões raciais.

Apesar das críticas, outros tentaram entender a mensagem da ministra.

Publicidade

Um internauta afirmou que Anielle não se referia ao buraco negro da física e que ficar imerso nessa interpretação é perder o ponto da discussão. Para outra, basta ouvir a entrevista para entender que ela se referia a uma expressão que as pessoas usam quando não estão bem, associando a palavra negro a algo ruim.


Imagem
TSE tem 2 a 1 por Bolsonaro inelegível e multa de R$ 425 mil por uso eleitoral 7 de setembro
O corregedor do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Benedito Gonçalves, e o ministro Floriano de Azevedo Marques votaram nesta quinta-feira (26) para declarar a inelegibilidade por oito anos do ex-presidente Jair Bolsonaro


Segundo Anielle, debater este tipo de termo é importante para que pessoas não negras tenham a consciência de que usar determinada palavra causará desconforto às pessoas negras ao redor.

Publicidade

A participação da ministra ocorreu como parte da programação para o mês da Consciência Negra, lembrado em novembro.

Anielle criticou ainda o uso de alguns termos em textos ou manchetes jornalísticas. Ela cita como exemplo a diferença de tratamento para homens negros e brancos acusados de algum crime.

"Bandido preso com um tanto de drogas'. Era sempre uma pessoa negra. 'Jovem preso com um tanto de droga', era sempre uma pessoa branca."

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade