Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Dispêndio

Assembleia vai gastar R$ 76 mil para avaliar imagem

Catarina Scortecci/Equipe Folha
03 jun 2009 às 08:42
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Assembleia Legislativa contratou o Instituto Paraná de Pesquisas e Análise de Consumidor, de Curitiba, para saber como está a imagem da Casa. O serviço custará R$ 76 mil.

Em função do valor do serviço, abaixo de R$ 80 mil, o contrato foi firmado através da modalidade convite, ou seja, quando a administração pública solicita um serviço a uma única empresa, sem abertura de um processo de concorrência. O contrato foi publicado na íntegra no Diário Oficial da Casa de 27 de abril.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Pelo texto do contrato, obtido pela reportagem, serão feitas pesquisas de opinião pública no Estado com o objetivo de ''avaliar a imagem e os trabalhos realizados pelo Poder Legislativo''. Os serviços começam a ser prestados a partir da data da assinatura do contrato - 27 de abril até o dia 31 de dezembro deste ano. Uma das cláusulas define que a Casa irá pagar o montante a partir da apresentação das pesquisas realizadas com planejamento amostral, aplicação e checagem das entrevistas e questionários. O pagamento será feito em parcelas.

Leia mais:

Imagem de destaque
No X

Justiça ordena que Bolsonaro apague montagem com Boulos das redes sociais

Imagem de destaque
Cerca de 5 mil

Governo Lula vai comprar imóveis no Rio Grande do Sul para dar a desabrigados

Imagem de destaque
Em primeiro turno

Lei de Diretrizes Orçamentárias é aprovada e Câmara de Londrina vai convocar audiência pública

Imagem de destaque
Foragidos da Justiça

Condenados por atos golpistas em Brasília quebram tornozeleira e deixam país


A data de assinatura do contrato coincide com a fase final da discussão em torno do chamado ''pacote da transparência'' - três projetos de resolução de autoria da Casa que prometem dar transparência a atos do Legislativo. As resoluções foram elaboradas depois que se tornou pública parte das investigações feitas pelo Ministério Público Federal sobre funcionários ''fantasmas'' da Casa.

Segundo o MPF, os salários dos ''fantasmas'' seriam desviados para contas dos próprios parlamentares ou de pessoas próximas a eles. A investigação envolve pelo menos 63 deputados e ex-deputados estaduais, além de 450 servidores. O caso corre em segredo de Justiça e ainda não foi concluído.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade