Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Programa de rádio

'Café com o Presidente' deve voltar até fevereiro

Agência Estado
10 jan 2011 às 19:30
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O programa Café com o Presidente, repaginado e renomeado, deverá recomeçar no final de janeiro ou início de fevereiro. Suspenso desde que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou o cargo, o programa já foi rebatizado de "Café com a Presidenta" - como Dilma Rousseff prefere ser chamada - no site da Presidência na internet, mas nenhum episódio foi gravado.

Com a agenda cheia nesse início de governo, a presidente Dilma ainda não conseguiu espaço para fazer as gravações, que precisam ocorrer na sexta-feira à noite ou durante o final de semana, já que o programa vai ao ar na segunda-feira às 8h da manhã. Lula costumava gravar no domingo à noite, no Palácio do Alvorada, quando estava em Brasília, ou em qualquer outro lugar do País ou do mundo, já que uma equipe da EBC sempre o acompanhava.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


Mas Dilma já informou sua equipe que pretende manter o programa. Na sua última gravação, em 27 de dezembro, Lula aconselhou sua sucessora a fazê-lo. "Eu acho que ela deve continuar porque é um programa que tem tido um êxito extraordinário. Muitas das coisas que nós falamos aqui repercutem na televisão, à noite", disse.

Leia mais:

Imagem de destaque
'Bluesky'

Lula adere a rede rival de Musk após movimento da esquerda contra X

Imagem de destaque
Briga de engravatados

Após ser chamado de ‘incompetente’ na ExpoLondrina, ministro de Lula reage

Imagem de destaque
Entenda

STF forma maioria para ampliar foro especial, mas Mendonça interrompe julgamento

Imagem de destaque

Presidente Lula sanciona, com veto, projeto que proíbe saidinha de presos

Foi neste mesmo programa, de despedida, que o ex-presidente afirmou ter achado "muito gostoso" governar. "Eu não achei nada complicado, achei até gostoso demais, provar que é possível fazer as coisas, provar que é possível fazer acontecer, provar que é possível permitir que o povo participe", afirmou.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade