Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Reclusão de 2 a 4 anos

Câmara aprova criminalização de nudes de mulheres gerados por IA

- Agência Câmara
Pedro S. Teixeira - Folhapress
08 dez 2023 às 10:29
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (7), projeto de lei que criminaliza gerar, com inteligência artificial, imagens de mulheres em situações de intimidade ou nudez. O texto indica reclusão de dois a quatro anos para o crime, que pode ser estendida caso a vítima seja menor de idade.


Publicidade
Publicidade

Os deputados aprovaram a proposta por unanimidade em votação simbólica. Aprovado em regime de urgência, o projeto altera o Código Penal e o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente.

Leia mais:

Imagem de destaque
Reajuste

Servidores municipais terão recomposição salarial de 3,8% em Londrina

Imagem de destaque
Reciclagem de temas

Bolsonaro tenta inflar ato na Paulista com crise Lula-Israel

Imagem de destaque
Com a presença de deputados

Vereadores de Londrina vão participar de reunião em Brasília sobre o Contorno Leste

Imagem de destaque
Eleições 2024

Justiça Eleitoral está preparada para combater fake news, afirma juíza de Londrina


Entidades da sociedade civil ao redor do mundo alertam desde a popularização de IAs capazes de gerar imagens sobre o risco da disseminação de imagens falsas de mulheres e crianças.

Publicidade


No Rio de Janeiro, a Polícia Civil abriu inquérito, em novembro, para apurar uma denúncia feita por pais e responsáveis de alunas do Colégio Santo Agostinho da Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade, de que estudantes teriam adulterado e compartilhado fotos íntimas das colegas em redes sociais.


As vítimas afirmam que alunos de turmas do 7º ao 9º ano teriam usado um aplicativo de inteligência artificial para colocar o rosto de meninas, estudantes do colégio ou não, em corpos nus. Além disso, os suspeitos teriam ainda divulgado as imagens adulteradas nas redes sociais.

Publicidade


Em resposta à exposição das jovens, a deputada Nely Aquino (PODE-MG) propôs, em 22 de novembro, um projeto de lei que criminaliza "a manipulação não autorizada de imagem íntima de mulher."


Esse texto foi apensado a outra proposta de autoria da deputada Erika Kokay (PT-DF), que versa sobre a divulgação sem consentimento de conteúdo íntimo de mulheres. Segundo o texto votado, usar imagens captadas durante a atividade profissional, comercial ou funcional da mulher agravaria a pena em 50%.

Publicidade


"Não havendo ainda regulamentação aprovada a respeito da inteligência artificial, faz-se necessário, portanto, atualizar a legislação para que sejam instituídas balizas a respeito de crimes cometidos através da utilização da inteligência artificial", afirma, em parecer, a relatora, a deputada Luísa Canzian.


O texto não trata de responsabilizar as plataformas usadas para gerar as imagens. Criminaliza apenas o autor da violência sexual.

Publicidade


Reportagem da Folha mostrou que é possível clonar uma voz com cinco minutos de áudio de US$ 5 (R$ 25). Um vídeo com cópia do rosto sai por US$ 500 (R$ 2,5 mil) e requer uma imagem de resolução 4K, com boa iluminação.


No Brasil, é crime desde 2018 gravar ou fazer imagens de ato sexual sem a autorização, com pena de seis meses a um ano.


O código penal também determina cadeia para a prática chamada upskirting, que consiste em gravar mulheres nuas em locais públicos, como banheiros.


Imagem
Parceria entre UEL e Tribunal de Justiça vai permitir acesso a processos sobre feminicídios
A UEL e o TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná) irão assinar, na tarde da próxima segunda-feira (11), o termo de cooperação que concederá acesso a autos dos processos envolvendo feminicídios tentados e consumados no Estado.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade