Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Polêmica

Declaração de Lula sobre ação militar de Israel dá força a manifestações da extrema direita

José Marcos Lopes - Especial para a Folha
26 fev 2024 às 09:00
- Marcelo Camargo/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A fala do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sobre a ação militar de Israel na Palestina serviu como combustível para a manifestação da oposição neste domingo (25) em São Paulo. 


Na semana em que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) teve que comparecer na Polícia Federal para depor sobre a tentativa de golpe, a maior parte das atenções estiveram voltadas para a declaração de Lula, que levou o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, a dizer que o brasileiro “cruzou a linha vermelha” e declará-lo 'persona non grata.'

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Apesar da pouca reação contrária fora do país (a União Europeia, por exemplo, declarou não ter visto antissemitismo na fala de Lula), na semana passada o tema pautou a extrema direita brasileira, que adotou a versão de Netanyahu. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Agora SPVAT

Deputados federais de Londrina discordam sobre retorno do DPVAT

Imagem de destaque
'Bluesky'

Lula adere a rede rival de Musk após movimento da esquerda contra X

Imagem de destaque
Briga de engravatados

Após ser chamado de ‘incompetente’ na ExpoLondrina, ministro de Lula reage

Imagem de destaque
Entenda

STF forma maioria para ampliar foro especial, mas Mendonça interrompe julgamento


A oposição na Câmara protocolou um pedido de impeachment com 139 assinaturas, argumentando que Lula cometeu crime de responsabilidade por um ato de hostilidade contra outra nação. A abertura do processo depende do presidente da Câmara, Artur Lira (PL-AL).

Publicidade


Lula criticou ação de Israel e o corte de ajuda humanitária na Faixa de Gaza no dia 18, durante visita à Etiópia. O ponto mais polêmico foi quando ele comparou as mortes de palestinos ao Holocausto, o extermínio programado de 6 milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial. 


Lula afirmou que uma ação militar como a que vem ocorrendo “existiu quando Hitler resolveu matar os judeus”, em referência ao ditador nazista. 

Publicidade


GUERRA INTERNA


As redes sociais foram tomadas por opositores e apoiadores de Lula logo após a declaração e a guerra prosseguiu durante a semana. O deputado federal Filipe Barros (PL-PR) afirmou que a “baixeza moral e diplomática” é a “principal commodity” do presidente. 

Publicidade


“Sua fala contra Israel e o povo judeu envergonha o Brasil em escala global, mas também é mais um forte indício dos movimentos obscuros que rondam o Itamaraty”, escreveu o parlamentar.


Presidente do PT no Paraná, o deputado estadual Arilson Chiorato disse que a fala de Lula teve o mérito de chamar a atenção para o problema. 

Publicidade


“O governo de Netanyahu não está numa posição para dar lição de moral em ninguém, pois o mundo tem visto diariamente a punição coletiva impetrada sobre o povo palestino, com destruição da infraestrutura civil, através de bombardeios a escolas e hospitais, condenando a população civil a ficar sem água, comida, remédios, sem anestesia para procedimentos médicos”.


Para a cientista política Karolina Mattos Roeder, a defesa de Israel e temas relacionados à segurança pública e a pautas morais ajudam a aglutinar a extrema direita. 

Publicidade


“Israel não é qualquer tema, é uma questão que une a extrema direita. Esse grupo não se organiza de maneira tradicional, em torno de pautas econômicas e programas objetivos, atua de forma coordenada em situações como essa”, diz a professora universitária. 


“A extrema direita vai continuar buscando recortes de falas controversas para inflamar e agitar o eleitorado, pois isso reafirma a sua identidade antipetista, de direita, e alimenta a sua própria existência.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Fala de Lula sobre ação militar de Israel dá força às manifestações da extrema direita
A fala de Lula sobre a ação militar de Israel na Palestina gerou fortes reações e debates sobre a situação política entre os dois países. Saiba mais sobre o assunto e as opiniões divergentes.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade