Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Após seis anos no cargo

Lava Jato no Paraná anuncia saída de Deltan Dallagnol

Agência Brasil
01 set 2020 às 15:01
- Marcelo Camargo/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná informou nesta terça-feira (1º) que o procurador Deltan Dallagnol vai deixar o comando das investigações após seis anos no cargo. De acordo com nota divulgada à imprensa, Deltan vai se afastar por questões de saúde em sua família.


A vaga de Deltan será ocupada pelo procurador da República Alessandro José Fernandes de Oliveira, que tem atuação no combate ao crime organizado.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


No comunicado distribuído à imprensa, o MPF (Ministério Público Federal) afirma que Deltan Dallagnol contribuiu para o combate à corrupção e garante que o trabalho da força-tarefa seguirá da "mesma forma como nos últimos anos”.

Leia mais:

Imagem de destaque
Práticas antissindicais

Seis centrais sindicais denunciam Ratinho Junior à Organização Internacional do Trabalho

Imagem de destaque
Nova manifestação

Procuradoria mantém parecer contrário ao PL que aumenta salário da GM

Imagem de destaque
Vídeo viralizou

Vice-prefeito de Curitiba erra chute e acerta cabeça de líder comunitário em entrega de praça

Imagem de destaque
Subjuga mulheres

Entenda por que 'O Conto da Aia' inspirou campanha contra PL antiaborto


"Por todo esse período, enquanto coordenador dos trabalhos, Dallagnol desempenhou com retidão, denodo, esmero e abnegação suas funções, reunindo raras qualidades técnicas e pessoais. A liderança exercida foi fundamental para todos os resultados que a Operação Lava Jato alcançou, e os valores que inspirou certamente continuarão a nortear a atuação dos demais membros da força-tarefa, que prosseguem no caso”, diz a nota.

A saída de Deltan do cargo ocorre no momento em que o procurador-geral da República, Augusto Aras, deve decidir sobre a prorrogação dos trabalhos da força-tarefa e após o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) ter arquivado um pedido de providências protocolado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra o procurador e outros integrantes das investigações.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade