Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Tempus Veritatis

Major alvo da operação sobre tentativa de golpe é demitido da Prodesp

Redação Bonde com Agência Brasil
15 fev 2024 às 08:30
- Divulgação/PF
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O governador do estado de São Paulo, Tarcísio de Freitas, demitiu da Prodesp (Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo) o major da reserva do Exército Angelo Martins Denicoli. A companhia confirmou hoje (14) que o desligamento ocorreu na segunda-feira (12), no meio do feriado de Carnaval.


Segundo as investigações da PF (Polícia Federa), o militar teria participado da tentativa de golpe de Estadono núcleo de desinformação e ataques ao sistema eleitoral. O major foi alvo de busca e apreensão, autorizados pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes na Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela PF na semana passada. Por decisão da Justiça, o militar está proibido de manter contato com os demais investigados e de sair do país. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Conheça

Quem são os juízes da Lava Jato alvos de questionamento no CNJ

Imagem de destaque
Em 1º turno

Bruce Dickinson, que vem ao Brasil para turnê, se torna cidadão honorário de Curitiba

Imagem de destaque
Veja a entrevista

Gil do Vigor quer usar redes para expor políticas populistas em ano de eleições municipais

Imagem de destaque
Texto assinado por oito vereadores

Vereadores de Londrina aprovam o 'Dia do CACs' em segunda discussão

De acordo com a PF, Angelo Martins Denicoli pertencia ao núcleo de desinformação e ataques ao sistema eleitoral, composto também pelo tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro; o ex-ministro da Justiça Anderson Torres; Fernando Cerimedo; Éder Lidsay Magalhães Balbino; Hélio Ferreira Lima; Guilherme Marques Almeida; Sérgio Ricardo Cavaliere de Medeiros; e Tércio Amaud Tomaz.


Segundo as investigações, eles teriam atuado, prioritariamente, na produção, divulgação e amplificação de notícias falsas e de "estudos" sobre a falta de lisura das eleições presidenciais de 2022, bem como sobre supostos registros de votos após o horário oficial e inconsistências no código-fonte das urnas. De acordo com a PF, eles teriam a finalidade de estimular seguidores a permanecerem na frente de quartéis e de instalações das Forças Armadas no intuito de criar o ambiente propício para a execução de um golpe de Estado.


Imagem
Pastor é condenado por incitar violência contra crianças no TikTok
O pastor Leandro Rafael Cezar foi condenado por incitação ao crime, devido a um vídeo em que orienta os pais a baterem em crianças.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade