Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Nesta sexta

Moraes determina instauração de inquérito sobre dirigentes de Google e Telegram

José Marques - Folhapress
12 mai 2023 às 19:28
- Marcelo Camargo/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou nesta sexta-feira (12) a instauração de inquérito sobre os dirigentes do Google e do Telegram no Brasil que tenham atuado contra o PL das Fake News.


Em sua decisão, ele afirma que o inquérito será "em face dos diretores e demais responsáveis" das empresas que "tenham participado da campanha abusiva" contra o texto do Congresso.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Ele determinou que a Polícia Federal atue durante um prazo inicial de 60 dias para elucidar eventuais suspeitas e que mensagens publicadas pelas companhias contra o projeto sejam preservadas e passem por perícia.

Leia mais:

Imagem de destaque
No X (antigo Twitter)

Milei compartilha mensagens que associam Lula ao Hamas e exaltam ato de Bolsonaro

Imagem de destaque
Ex-presidente inelegível

Ato reúne apoiadores de Bolsonaro na Avenida Paulista, em São Paulo

Imagem de destaque
Polêmica

Declaração de Lula sobre ação militar de Israel dá força a manifestações da extrema direita

Imagem de destaque
Tentativa de golpe

Militares da ativa escreveram carta para pressionar Exército a participar de golpe, diz PF


Também autorizou que os representantes das plataformas no país prestem depoimentos à PF.

Publicidade

O pedido de abertura do inquérito foi feito ao Supremo pela PGR (Procuradoria-Geral da República), que por sua vez atendeu a uma solicitação do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL).


São citados no pedido à PGR link disponibilizado pelo Google no dia 1º de maio, cujo título era "o PL das

Publicidade

fake news pode aumentar a confusão sobre o que é verdade ou mentira no Brasil" e também a mensagem disparada pelo Telegram no último dia 9, que afirmava que seria aprovada uma lei que "irá acabar com a liberdade de expressão".


A mensagem do Telegram continha distorções sobre o PL das Fake News, e Moraes ameaçou tirar a plataforma do ar por um prazo de 72 horas caso o serviço de mensagens não a removesse.

Publicidade

Lira argumentou à PGR que as plataformas fomentam "seus usuários a pressionarem os congressistas" e promovem "campanha de desinformação".


Isso levou, disse ele, a "uma sobrecarga considerável nos serviços de TI da Câmara dos Deputados, com a ocorrência de instabilidade no portal e nos principais sistemas de apoio aos trabalhos legislativos" e afetou os trabalhos legislativos.

Publicidade


A PGR, por meio da vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo, pediu para investigar os dirigentes por suspeitas de crimes contra as instituições democráticas, crimes contra a ordem consumerista e crimes contra a economia e as relações de consumo.


"O cenário fático narrado aponta para a existência de elementos de informações mínimos da prática de conduta delituosa que fundamentam a possibilidade de instauração de procedimento de investigação sob a supervisão do Supremo Tribunal Federal", afirmou Lindôra no pedido.


"Nesse cenário, é relevante esclarecer as circunstâncias das condutas noticiadas pela Câmara dos Deputados, representada por seu presidente."


Ela pediu ao Supremo que determine a preservação, com elaboração de laudo pericial, de todas as postagens mencionadas no pedido, além da identificação e do interrogatório dos representantes das plataformas, o que foi atendido por Moraes.


Imagem
Petrobras confirma possibilidade de corte nos preços dos combustíveis na semana que vem
O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, admitiu nesta sexta-feira (12) que a empresa deve anunciar reduções na próxima semana
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade