Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Desacato

Promotor pede prisão de ex-assessor de Barbosa

Redação Bonde
26 jun 2009 às 17:01
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O empresário Assad Janani, assessor do prefeito Barbosa Neto quando ele era deputado estadual, recebeu voz de prisão do promotor Renato de Lima Castro durante depoimento na tarde desta sexta-feira (26), na sede do Ministério Público em Londrina.

Barbosa é investigado pelo caso conhecido como Operação Gafanhoto, que trata sobre desvio de salário de assessores parlamentares. Este foi o nono depoimento de um total de onze, relacionado a Barbosa Neto.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Após questionamentos, Assad Janani teve prisão decretada por desacato a autoridade. Ele teria ofendido Renato Lima Castro, chamando o de 'imbecil'. Assad falou que se referia a uma 'pergunta imbecil', relacionada ao gasto com combustíveis na época. A discussão ocorreu em frente aos jornalistas presentes.

Leia mais:

Imagem de destaque
Relações internacionais

De Lula 1 a Lula 3, Brasil busca cavar espaço global em tensão com os EUA

Imagem de destaque
Quarta-feira

Julgamento em Londrina que pode cassar Mara Boca Aberta será dia 29

Imagem de destaque
R$ 30 mil

TSE multa Flávio, Zambelli e outros bolsonaristas por associar Lula a satanismo

Imagem de destaque
Segurança pública

Câmara aprova PL que reajusta salários e prevê alta de 27% a delegados da PF


Janani assinou apenas a um termo circustanciado e foi liberado.

Publicidade


Leia mais sobre o assunto na reportagem de Janaina Garcia, deste sábado (27), da Folha de Londrina.


O caso

Publicidade


Atendendo pedido da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Curitiba, o Ministério Público de Londrina tomou nesta sexta-feira (26) o depoimento de duas pessoas ligadas ao prefeito de Londrina, Barbosa Neto, na época em que ele era deputado estadual. A oitiva faz parte da Operação Gafanhoto, que investiga deputados que ficavam com parte de salários de funcionários ou nomeavam funcionários fantasmas.


Estiveram na sede do MP o empresário Assad Janani, ex-chefe de gabinete de Barbosa na Assembleia e Renato Mantovani, coordenador da campanha para a prefeitura, também assessor na Assembleia. Onze pessoas foram convocadas para depor sobre o caso. Uma delas teria admitido em depoimento que trabalhava no programa de Barbosa Neto na CNT, mas recebia como assessor do deputado na Assembleia Legislativa.

O esquema foi denunciado em 2003 por Agnaldo Rosa, hoje assessor da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU).


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade