Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Sobre pena de Valério

Revisor e relator do mensalão batem boca de novo

Agência Estado
24 out 2012 às 17:17
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Após o primeiro embate no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre as penas aos réus do mensalão ser vencido pelo revisor, ministro Ricardo Lewandowski, houve nesta quarta-feira um novo bate-boca entre ele e o relator, ministro Joaquim Barbosa. Lewandowski e Barbosa divergiram sobre a pena ao empresário Marcos Valério Fernandes de Souza no crime de corrupção ativa pelo oferecimento de propina ao diretor do Banco do Brasil (BB) Henrique Pizzolato. Venceu o revisor, fixando a punição em 3 anos, 1 mês e 10 dias.

O relator criticou o plenário pelo resultado. Ele disse que continuaria a votar, mas que antes gostaria de revelar o "desgosto". Citou um artigo da imprensa dos Estados Unidos para dizer que o sistema jurídico brasileiro parecia "risível". "Estamos a discutir sobre a pena a ser aplicada a um homem que fez o que fez. Ele vai ser condenado a 3 anos. Na prática, não cumprirá 3 meses ou 4 meses, no máximo."

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Lewandowski interrompeu. "Ele não vai cumprir as penas isoladamente. No meu cálculo, já passa de duas décadas", disse, ressaltando a somatória dos cinco tipos de crimes praticados por Valério. "Três anos para quem desviou mais de R$ 70 milhões", disse Barbosa. "Vossa Excelência acha pouco?", questionou o revisor. "Tenho certeza que não cumprirá mais de seis meses", revidou o relator. "Vossa Excelência está sofismando", rebateu Lewandowski.

Leia mais:

Imagem de destaque
Agora SPVAT

Deputados federais de Londrina discordam sobre retorno do DPVAT

Imagem de destaque
'Bluesky'

Lula adere a rede rival de Musk após movimento da esquerda contra X

Imagem de destaque
Briga de engravatados

Após ser chamado de ‘incompetente’ na ExpoLondrina, ministro de Lula reage

Imagem de destaque
Entenda

STF forma maioria para ampliar foro especial, mas Mendonça interrompe julgamento


Barbosa, então, questionou as intervenções dele. "Advoga para ele?", perguntou. "Vossa Excelência faz parte da Promotoria?", rebateu o Lewandowski. "Está sempre defendendo", disse o relator para o revisor. O ministro Marco Aurélio Mello e o presidente, ministro Carlos Ayres Britto, intervieram. Barbosa, então, afirmou que a crítica que fazia era ao sistema penal brasileiro. "Infelizmente, vivemos no Brasil. Temos de mudar de lado e ir para o Congresso Nacional. Somos aplicadores da lei", respondeu Lewandowski. "Moro no País e lutarei para que ele mude", disse Barbosa.

O revisor reafirmou ser necessário levar em conta a pena final. "Eu insurgi-me, de início, contra o fatiamento porque traz uma visão parcial e precisamos de uma visão integral. Temos de saber quando aplicamos de pena isolada e a quanto vai chegar para fixarmos parâmetros de proporcionalidade e razoabilidade. Estamos tratando da liberdade de um cidadão brasileiro." O ministro Luiz Fux entrou no debate. "Quem tem muitas penas responde a muitos crimes e temos uma pena para cada crime." Lewandowski concluiu a intervenção dizendo não haver "leniência" do tribunal na fixação de penas.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade