Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Certificado

Curitiba tem o único ‘prédio verde’ do Sul do Brasil

Carolina Gabardo Belo - Folha de Londrina
05 jun 2009 às 11:11
Edifício comercial no bairro Prado Velho foi certificado pelo Green Building Council - Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Sediado em Curitiba, o Curitiba Office Park é o primeiro edifício do sul do Brasil com certificado Green Building, atestado pelo Green Building Council (Conselho de Construção Verde). Na cidade, outras duas construções estão em processo de certificação e em todo o País são 124 obras em busca do selo verde, que mostram a expansão das construções sustentáveis, principalmente na área empresarial.

A partir do conceito de causar mínimos impactos no meio ambiente durante suas contruções e manutenções, os edifícios sustentáveis também são criados de modo a facilitar a habitação. Aberturas, posicionamento de janelas e até mesmo materiais utilizados na construção ajudam, por exemplo, a reduzir o consumo de água e de energia elétrica com equipamentos de ar condicionado ou iluminação. "Eu digo que fazer nossa profissão bem feita é o primeiro passo. Precisamos utilizar os meios passivos, ou seja, implantação correta da arquitetura", afirma o arquiteto Frederico Carstens.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Com variações de acordo com a complexidade das obras, o custo da construção de edifícios sustentáveis e nas adaptações de edifícios já existentes vem se equiparando às construções tradicionais.

Leia mais:

Imagem de destaque
Novas regras

Governo amplia uso do FGTS na compra de imóveis usados pelo Minha Casa, Minha Vida

Imagem de destaque
Estimativa

Reforma deve reduzir tributo sobre imóveis do Minha Casa, Minha Vida, prevê Fazenda

Imagem de destaque
Viralizou

Anúncio de apartamento à venda viraliza com pombo de estimação do proprietário

Imagem de destaque
Anote essas dicas

Comprou, financiou ou vendeu imóvel em 2023? Saiba como declarar no Imposto de Renda


O conceito já cativou a população e principalmente empresários, que se interessam pela construção de edifícios sustentáveis como fator de posicionamento no mercado. No entanto, as discussões sobre a sustentabilidade estendem-se agora para toda a logística envolvida no processo de execução das obras, como materiais utilizados e sistema de transporte durante o trabalho.

Publicidade


Na opinião de Carstens, a redução ao mínimo da utilização de recursos naturais é um objetivo a ser alcançado. "Entendemos a sustentabilidade como integração com a natureza, mas o ciclo fechado é impossível com o nosso modo de vida. Somos seis bilhões de pessoas no mundo, mas consumimos oito toneladas de recursos naturais por ano. Não fecha", afirma. Uma alternativa apontada pelo arquiteto é a criação das estruturas que serão utilizadas nas obras. "O que eu chamo de ‘casa viva’, criada por novos produtos", diz.


A redução dos impactos também exige uma atuação em conjunto, dentro do conceito de sustentabilidade. "Precisamos interligar os sistemas, assim conseguiremos um ganho muito grande", afirma o presidente da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura - regional Paraná, Gustavo Pinto. esta integração foi discutida durante esta semana, no primeiro Simpósio Internacional de Sustentabilidade em Arquitetura e Urbanismo.

No evento, profissionais que atuam em todo o mundo apresentaram estratégias de como viabilizar o alinhamento entre as obras arquitetônicas com planejamento urbano. Com foco em Curitiba, as propostas apresentadas sugeriram a aplicação do aluguel de bicicletas, principalmente na área central da cidade, realização de estudos comparativos entre construções sustentáveis e convencionais, para a definição de planos estratégicos de acordo com cada região, e ainda estimular o desenvolvimento de concorrência entre as universidades. "As universidades são os pontos de conhecimento e podem investir nas construções sustentáveis", afirma o coordenador do simpósio, Dalton Vidotti.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade