Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Casa própria

Simulação é primeiro passo na compra de imóvel

Eli Araujo - Folha de Londrina
22 jun 2009 às 08:44
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A distância entre o sonho de ter a casa própria e transformar o sonho em realidade depende, em parte, da estratégia adotada pelo futuro mutuário para alcançar o objetivo. O Brasil tem um déficit habitacional de 8 milhões de unidades e o programa ''Minha Casa, Minha Vida'', lançado há pouco mais de um mês pelo governo federal, vai resolver apenas 12,5% do problema. Ou seja, a maioria vai continuar na lista de espera.

A Caixa Econômica Federal tem um roteiro básico para quem está com o propósito de adquirir um imóvel. O primeiro passo é levantar as informações necessárias, principalmente a renda pessoal ou familiar, para se fazer uma simulação. É este procedimento que vai definir o valor máximo a ser financiado.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O pretendente pode financiar a compra de um imóvel novo ou usado; a compra de terreno para a construção; financiar só a construção, caso já tenha o terreno; conclusão, reforma ou ampliação do imóvel, e compra do material de construção.

Leia mais:

Imagem de destaque
Novas regras

Governo amplia uso do FGTS na compra de imóveis usados pelo Minha Casa, Minha Vida

Imagem de destaque
Estimativa

Reforma deve reduzir tributo sobre imóveis do Minha Casa, Minha Vida, prevê Fazenda

Imagem de destaque
Viralizou

Anúncio de apartamento à venda viraliza com pombo de estimação do proprietário

Imagem de destaque
Anote essas dicas

Comprou, financiou ou vendeu imóvel em 2023? Saiba como declarar no Imposto de Renda


As duas principais fontes de recursos para financiamentos são o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e a caderneta de poupança. Cada uma tem características próprias no que se refere a juros, prazos, cotas e valor máximo de financiamento. Os recursos do FGTS se destinam em especial a famílias de baixa renda, enquanto os recursos da poupança são destinados a famílias de renda maior.

Publicidade


O superintendente regional da Caixa Econômica em Londrina, Luiz Roberto Bachmann, explica que os juros variam de acordo com o valor do financiamento e a origem dos recursos. A diferenciação ocorre porque as duas fontes de financiamento têm regras específicas de correção. ''A remuneração da poupança é a TR mais 6% ao ano e a remuneração do Fundo de Garantia é TR mais 3% ao ano.''


Se uma família tem uma renda entre R$ 415,00 e R$ 1.875,00, o valor máximo de financiamento em Londrina é de R$ 80.000,00, com juros de 5% ao ano. A cota de financiamento, neste caso, é de 100%, se o prazo for de 240 meses. Em outro exemplo, com valor financiado de R$ 130.000,00, a taxa de juros varia entre 8,4% e 9,4%. A Caixa reduz a taxa em 0,5% se a opção for débito automático e 1% se o mutuário movimentar conta corrente na própria Caixa.

Publicidade


O comprador do imóvel poderá perceber diferenças de valores das prestações também de acordo com a faixa etária. Quanto maior a idade, maior o valor da prestação. Bachmann explica que a diferença se deve ao valor do seguro cobrado e lembra que a soma da idade do mutuário com o prazo de financiamento não pode passar de 80 anos e seis meses.


Conferidos todos os detalhes da simulação de acordo com a modalidade de compra, o segundo passo é procurar o imóvel desejado. O superintendente da CEF diz que não há uma regra definitiva nessa etapa. ''A pessoa tem que procurar o imóvel de acordo com a oferta de mercado; pode ser direto com a construtora, em uma imobiliária ou oferta pública por meio dos classificados'', afirma.

Publicidade


Após a definição do imóvel, vem a terceira e última etapa do processo, que é reunir todos os documentos exigidos para a elaboração do contrato. A relação dos documentos varia de acordo com a modalidade de financiamento. De posse de todos os documentos, o comprador deve procurar uma agência da Caixa ou um correspodente bancário. O prazo médio para análise de toda a documentação é de 15 dias.


O futuro mutuário pode comprometer até 30% da renda com o valor da prestação mensal. Atualmente a Caixa adota o sistema de amortização constante, que consiste na redução do saldo devedor à medida que os pagamentos são efetuados.

A Caixa mudou também a forma para retomada do imóvel no caso de inadimplência. Antes, era adotada a hipoteca, e agora é a alineação fiduciária. No primeiro caso, a demora para retomada do imóvel chegava a três ou quatro anos e agora é de 30 dias, em média. Este novo conceito jurídico reduziu a inadimplência a cerca de 3%.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade