Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Ainda há grandeza na humanidade.

27 abr 2010 às 14:18
Continua depois da publicidade

AINDA HÁ GRANDEZA NA HUMANIDADE.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

No romance "Doidinho" há o seguinte excerto: "Coruja fizera uma coisa que eu lhe pedira. E por isso sofrera a maior humilhação, o castigo brutal que por todos os meio evitava. Ficara um réprobo para a legislação do Professor Maciel. Fora açoitado como um criminoso de pena máxima, ele que era o melhor aluno da casa. Isto me convencia de que ainda havia grandeza na humanidade".
A grandeza de que José Lins do Rego fala é a de enfrentar desafios e castigos para ajudar um amigo. Coruja escrevera uma carta a pedido de
Carlos, o Doidinho, que ainda não sabia escrever, mesmo ciente de ser isso proibido pelo diretor do internato onde eles estudavam. Ao ser descoberta a carta, não titubeou e confessou ter sido ele o autor dela. Sabia que iria ser castigado com a palmatória e que passaria a ser perseguido pelo diretor, mas confessou: "Sim, fui eu".

Continua depois da publicidade

FOGO NO CORREDOR DA ESCOLA.

Esse episódio do livro "Doidinho" fez-me lembrar de um acontecimento de minha adolescência: quando eu estudava a oitava série do Ensino Fundamental, meu amigo Pedro ateou fogo às folhas de cartolina com trabalhos de alunos que estavam afixadas na parede do corredor de nossa sala de aula. Queimaram-se todas, e as paredes e o teto ficaram enegrecidos. Todos que estavam por lá (cinco alunos) foram chamados à diretoria. Todos sabíamos que havia sido Pedro o autor do sinistro, mas ninguém o denunciou. Os pais foram chamados, e uma reunião ocorreu com a presença de todos: os cinco alunos suspeitos, nossos pais, a coordenadora e a diretora da escola. Foi uma reunião tensa, com muitas ameaças da diretora, mas ninguém denunciou Pedro, mesmo sabendo que todos seríamos suspensos. E fomos.

Continua depois da publicidade


No caminho da escola até minha casa, silêncio absoluto; nada diziam meu pai e minha mãe, e eu, apavorado, nada tinha a dizer. Ficava apenas imaginando o tamanho do castigo que me infligiriam. Eles sabiam que eu não fora o autor do delito, mas fui suspenso, além da desonra a eles por terem sido obrigados a participar de uma reunião daquelas, ouvindo as ameaças da diretora até de expulsão. Ao chegarmos a casa, minha mãe fora incumbida de me dar o veredito: "Parabéns!" Foi o que ela me disse. Parabéns? Será que ouvi bem? Parabéns? Sim, "parabéns, pois vocês não delataram seu amigo, embora soubessem que seriam castigados. Isso é demonstração de firmeza de caráter".

AMIGOS NÃO SE DENUNCIAM.

Saí de casa felicíssimo e cheio de orgulho e de amor-próprio por ter sido elogiado por ela, se bem que, naquela época, eu não soubesse o que significava "firmeza de caráter". Para mim nossa ação havia sido a mais simples das ações: não denunciamos Pedro porque era nosso amigo; só isso. Amigos não se denunciam uns aos outros. É uma espécie de pacto. Não é assim com todos? Não, não é; acabei de me lembrar de que dois ou três anos antes daquele episódio eu havia sido denunciado por um colega de classe em virtude de uma pequena arte que fizera e sobre a qual nada falarei agora, mas prometo voltar ao assunto.


Confesso que não sei se o nosso silêncio tenha sido a ação adequada, pois, segundo Sócrates, "a verdadeira força vem de não mentirmos, mesmo que sejamos prejudicados se contarmos a verdade. A honestidade é um dos valores éticos de maior importância". Naquele momento, porém, não houve pensamento algum acerca de agir com justiça ou politicamente correto. O único pensamento foi o de proteger o amigo. Não sei se suportaria a angústia que certamente me assolaria se o tivesse traído conscientemente e contado a verdade.

SER AMIGO É SER LEAL.

A amizade é o bem maior a que qualquer ser humano possa aspirar. Sem os amigos, a vida se esvazia e passa a não ter sentido algum. Ser amigo, porém, não é somente ser camarada e companheiro de pilhérias. Ser amigo é ser leal, é ser confiável aos olhos do amigo, é ser incontestável. Amigo não é somente o que ‘anda junto’, mas o que ‘segue junto’, o que ouve, o que alivia, não com palavras, mas com a presença, ou melhor, com a existência. E quem é assim mantém-se fiel ao amigo, não obstante saiba que será castigado por isso. Essa é uma das maiores grandezas da humanidade...


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade