Pesquisar

Canais

Serviços

Além da mulher com o chapéu, o homem também confundiu seu pé com o sapato. - Reprodução
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

O Homem Que Confundiu Sua Mulher Com Um Chapéu - Oliver Sacks

15 dez 2004 às 11:00
Continua depois da publicidade

Um livro sobre patologias neurológicas (no popular, problema de cabeça) merece ser analisado numa coluna que se propõe a discutir literatura?

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

A melhor resposta (pra quase tudo, inclusive casamentos) é talvez.

Continua depois da publicidade


Mas como essa resposta não pode ser aplicada a nosso bel-prazer (inclusive em casamentos), justifique-se:


Literatura é linguagem. Advém daqui termos como belas letras. Indo pouco além, dá pra dizer que literatura é linguagem e intenção de uso dela. Um uso observado pela "chegada" dela no leitor.

Continua depois da publicidade


Quando digo que tenho em mãos um livro de um médico neurologista sobre casos reais de pessoas que tinham/têm problemas de disfunção cerebral, uma palavra naturalmente vem à cabeça das pessoas fora d'área médica: "chato".


Palavra que ficará de fora da fluente leitura proporcionada pelo autor.


Já de título se apresenta 'O Homem Que Confundiu Sua Mulher Com Um Chapéu'. Intenção clara do autor, Oliver Sacks, em propor algo menos restrito e técnico.


Sacks, com essa consciência lúcida de qual leitor espera que encontre sua obra, desenvolve todas as histórias com grande delicadeza e naturalidade. Escreve casos clínicos narrados em primeira pessoa, a partir do seu ponto de vista, descrevendo as dificuldades e a recuperação de cada um dos pacientes.


O livro apresenta vários casos, todos cheirando a conto. Casos reais, em sua grande maioria acompanhados pelo Sacks-médico. Histórias incríveis sobre a fragilidade humana, sobre a grandeza dos pequenos detalhes, da felicidade da superação e a tristeza da perda irreconciliável.


Problemas que não são notícia de jornal, que não aparecem o tempo todo nas praças que passamos, que não pegam ônibus com a gente, mas que existem.


Tão raros que nos parece impossível que alguém os tenha.


Mas existem. E ocasionados pelos motivos mais diversos.


Uma jovem que perdeu o controle sobre seu corpo, como se ela não tivisse músculos funcionais ou ossos. Um homem que anda com os ombros em grande desnível sem ser capaz de perceber. Outro, que mantém memórias somente até 1945, e é incapaz de conter novos fatos. Um paciente que era incapaz de reconhecer um objeto por completo, apenas seus detalhes.


E, é claro, um homem que ao tentar pegar seu chapéu, pega a cabeça de sua esposa.


Inúmeros casos que envolvem coisas tão simples e cotidianas que parece impossível que alguém não consiga fazer. Inacreditável. E ao mesmo tempo assustador.


O tom do livro é quase informativo. O leitor é apresentado a um mundo e a algumas dificuldades que provavelmente não conheça. Um retrato de uma parte dos nossos tempos que nem sempre podemos pôr os olhos. Sob a pena de um especialista. Em diferenças e igualdades.

Leituras Relacionadas: Tempo de Despertar (Oliver Sacks), Os Sertões (Euclides da Cunha), Estação Carandiru (Drauzio Varella) e Estranho no Ninho (Ken Kesey)


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade