Pesquisar

Canais

Serviços

Pexels
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Regime de bens

Entenda como funciona a sucessão patrimonial em cada tipo de casamento

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
22 out 2021 às 20:00
Continua depois da publicidade

A flexibilização das restrições impostas pela pandemia do coronavírus provocou um aumento substancial, no Brasil, de casamentos e oficialização de uniões estáveis. Essa realidade, com regimes de bens específicos, impacta diretamente na relação de sucessão patrimonial de bens. O advogado Jossan Batistute, sócio do Escritório Batistute Advogados e especialista no assunto, observa que, diante dessa realidade, as famílias têm buscado mais segurança jurídica do casal e dos filhos ou enteados. “Trocar o incerto pelo certo, o vazio pela plenitude e o duvidoso pelo escolhido, são consequências da decisão madura dos casais e, como tal, definem algumas regras de como será a sucessão patrimonial entre os cônjuges e seus herdeiros”, diz o advogado.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Dados da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais, obtidos no Portal de Transparência do Registro Civil, mostram em números o que se tem percebido na prática. Em 2021, com mais abertura e flexibilidade, o número de casamentos subiu 29% em relação a 2020, passando de uma média de 38.109 mensais nos nove primeiros meses do ano passado para 49.498 mensais neste ano. O mesmo acontece com a união estável: até setembro de 2020, foram 89.130 uniões, contra 101.200 no mesmo período desse ano, ou seja, 22% a mais.

 

E qual o impacto desse cenário em planejamentos sucessórios? “O reconhecimento jurídico, seja pelo casamento ou pela união estável, é condição inerente para que a pessoa seja vista, aos olhos da lei, como sucessora dos bens e patrimônios de um cônjuge falecido. Este reconhecimento pode ser feito em vida ou depois, por decisão judicial, em processo que pode ser tumultuoso, demorado e caro. Mas, não é o único fator que determina a completude na sucessão. Afinal, são diversos os tipos de regimes de bens que impactam diretamente sobre a divisão dos bens do (a) falecido (a)”, explica Jossan Batistute.

Continua depois da publicidade

 

O advogado destacou que a regras de um divórcio são específicas e diferentes das normas de uma partilha patrimonial decorrente de uma morte, sobre as quais incidem as leis do direito sucessório. Jossan Batistute separou, a seguir, as principais características de cada um em caso de falecimento de cônjuge ou companheiro (a):

 

-Comunhão universal de bens: todo o patrimônio (comprado ou recebido em doação ou herança), seja antes ou depois da oficialização da união, pertence integralmente ao casal. Assim, se, porventura, um vier a falecer, o (a) cônjuge sobrevivente não terá direito à herança do (a) falecido (a), já que possui metade de todos os bens do casal. Portanto, apenas a metade então pertencente a quem morreu será dividida entre seus herdeiros.

 

-Comunhão parcial de bens: nesse caso, de todo o patrimônio comprado (ou seja, adquirido onerosamente) durante o casamento ou união estável, metade já é do (a) cônjuge sobrevivente. Então, a sucessão em favor deste (a) se dará somente nos bens particulares (exclusivos) do (a) cônjuge falecido (a), ou seja, nos que eram deste (a) antes do casamento ou união estável e nos recebidos por herança ou doação durante o matrimônio.

 

-Participação final nos aquestos: é uma forma híbrida, com características tanto do regime de separação (durante o matrimônio) quanto da comunhão parcial de bens (quando do divórcio ou falecimento). Isto é, sobre os bens particulares (ou seja, os não adquiridos onerosamente durante o matrimônio) haverá direito à herança pelo (a) cônjuge sobrevivente.

 

-Separação convencional de bens: embora o casal tenha optado por não misturar os bens (sejam os anteriores ou os posteriores ao casamento ou união estável) durante o casamento ou em caso de divórcio, o cônjuge sobrevivente terá direito à herança quando um deles morrer.

 

-Separação obrigatória de bens: o (a) cônjuge será considerado (a) herdeiro (a) quanto aos bens particulares somente se provar o esforço mútuo (que não precisa ser financeiro) na aquisição dos bens.

 

-Regime misto: esta opção vai se caracterizar a depender dos termos da união estável ou do pacto pré-nupcial, quando os companheiros ou noivos escolhem as regras e aspectos de dois ou mais dos regimes acima para reger a sua união. E aí a sucessão patrimonial vai depender de tais cláusulas.

 

Aparte todas essas questões, é importante considerar três pontos sobre a sucessão:


1- Se houver testamento, haverá mudanças quanto às regras da distribuição e proporção da herança, pois, seguirá a vontade do testador (autor da herança) se o testamento for válido;


2- O cônjuge somente será considerado como sucessor/herdeiro se, quando do falecimento, o casal não estava separado judicialmente e nem separado, de fato, há mais de dois anos;


3- Se não houver descendentes e ascendentes do (a) falecido (a), o (a) cônjuge sobrevivente receberá a integralidade da herança, seja qual for o regime de bens do casal.

Continue lendo