Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Dois meses

Universidades federais divergem sobre cancelamento de calendário acadêmico por greve

Bruno Lucca - Folhapress
18 jun 2024 às 09:55
- José Cruz/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

As universidades federais atingidas pela greve de professores começam a repensar seu ano letivo, mais de dois meses após o início do movimento.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Em fase única

Inscrições para Vestibular 2025 da UEL abrem nesta quinta

Imagem de destaque
Memória cultural

Em Jacarezinho, escolas rurais são tema de exposição da UENP

Imagem de destaque
Nova pesquisa

Cai número de contratação de diretores de escolas estaduais por indicação

Imagem de destaque
Análise

Impacto negativo do celular nas escolas é evidente, diz ex-diretor da OpenAI

Parte delas decidiu suspender o calendário acadêmico, enquanto durar a paralisação, e admite terminar as atividades previstas para 2024 somente em 2025. Outras ainda não definiram o que fazer e enfrentam debates internos.

Publicidade


O Andes (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior) consultou no início deste mês as 54 universidades em greve sobre a possibilidade de suspensão do calendário, visando evitar que estudantes sejam prejudicados. Mais de 30 responderam.


Algumas, como FURG (Universidade Federal do Rio Grande) e UFU (Universidade Federal de Uberlândia), resolveram cancelar seu planejamento deste ano. Outro grupo, composto por UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e UFPB (Universidade Federal da Paraíba), por exemplo, resolveu seguir com as atividades.

Publicidade


No caso paraibano, a resolução veio do reitor, Valdiney Gouveia. Os professores da instituição, em assembleia na última semana, haviam votado pela suspensão do calendário. Valdiney vetou na sexta-feira (14), desagradando a docentes e alunos, que protestaram.


Ainda há universidades que disseram ao Andes estarem deliberando sobre o ano letivo, sem data para definição dos rumos.

Publicidade


Noutra situação, a UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), já fora da greve e com retorno às aulas no dia 10, decidiu readequar seu calendário e terminar as atividades previstas para este ano somente em fevereiro 2025.


Enquanto as instituições deliberam sobre o ano letivo, estudantes se dizem preocupados com o futuro.
Prestes a se formar em ciências contábeis na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Rodrigo Sousa, 23, não sabe se irá apresentar seu trabalho de conclusão quando agendado, para meados de novembro. A situação, relata, é "frustrante".

Publicidade


A reportagem perguntou ao MEC (Ministério da Educação) sua posição sobre o calendário das universidades federais. O ministério de Camilo Santana respondeu com o link de uma notícia publicada sobre as negociações pelo fim da greve dos docentes, ignorando o questionamento.


GREVE ULTRAPASSA OS DOIS MESES SEM PERSPECTIVA DO FIM

Publicidade


A paralisação dos professores de universidades federais foi iniciada em 15 de abril. Eles pedem reajuste salarial e recomposição do orçamento dos centros de ensino.


Os servidores reivindicam aumento de 3,69% em agosto deste ano, 9% em janeiro de 2025 e 5,16% em maio 2026. Brasília oferece 9% em janeiro de 2025 e 3,5% em maio de 2026.

Publicidade


O governo Lula (PT) oferece reajuste a partir de 2025 e afirma, através do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, não ter possibilidade de melhorar a proposta.


Segundo os grevistas, a greve não termina enquanto Brasília resistir ao acréscimo já neste ano. A gestão petista tenta acalmar os ânimos com outras propostas.


Em meio a cobranças, o governo lançou um PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) na segunda-feira (10) para as universidades federais e para os hospitais universitários, com previsão de R$ 5,5 bilhões em investimentos.


O ministro da Educação também anunciou um acréscimo de recursos para o custeio das instituições federais, em um total de R$ 400 milhões. Desse total, R$ 279,2 milhões serão para as universidades e outros R$ 120,7 milhões para os institutos federais.


Assim, o orçamento de 2024 dos centros de ensino chega a R$ 6,38 bi. O valor já é superior aos R$ 6,26 bi de 2023.


Os valores, porém, já eram previstos no orçamento deste ano e foram somente adiantados, como mostrou a Folha de S.Paulo.


UNIVERSIDADES FEDERAIS AINDA EM GREVE


1 - Universidade Federal do Rio Grande
2 - Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
3 - Universidade Federal do Ceará
4 - Universidade Federal do Cariri
5 - Universidade de Brasília
6 - Universidade Federal de Juiz de Fora
7 - Universidade Federal de Ouro Preto
8 - Universidade Federal de Pelotas
9 - Universidade Federal de Pelotas
10 - Universidade Federal de Viçosa
11 - Universidade Federal do Espírito Santo
12 - Universidade Federal do Maranhão
13 - Universidade Federal do Pará
14 - Universidade Federal do Paraná
15 - Universidade Federal do Sul da Bahia
16 - Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
17 - Universidade Tecnológica Federal do Paraná
18 - Universidade Federal de Rondônia
19 - Universidade Federal de Roraima
20 - Universidade Federal de São João del-Rei
21 - Universidade Federal de Pernambuco
22 - Universidade Federal de Catalão
23 - Universidade Federal do Oeste da Bahia
24 - Universidade Federal de Santa Maria
25 - Universidade Federal de Tocantins
26 - Universidade Federal do Rio Grande do Norte
27 - Universidade Federal Fluminense
28 - Universidade Federal de Alagoas
29 - Universidade Federal do Agreste de Pernambuco
30 - Universidade Federal Rural de Pernambuco
31 - Universidade Federal de São Paulo
32 - Universidade Federal da Bahia
33 - Universidade Federal do ABC
34 - Universidade Federal Rural da Amazônia
35 - Universidade Federal Rural da Amazônia
36 - Universidade Federal de Campina Grande
37 - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
38 - Universidade Federal do Triângulo Mineiro
39 - Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
40 - Universidade Federal do Acre
41 - Universidade Federal de Lavras
42 - Universidade Federal de São Carlos
43 - Universidade Federal de Goiás
44 - Universidade Federal de Santa Catarina
45 - Universidade Federal do Amapá
46 - Universidade Federal do Sergipe
47 - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
48 - Universidade Federal da Integração Latino-Americana
49 - Universidade Federal do Oeste do Pará
50 - Universidade Federal de Mato Grosso
51 - Universidade Federal de Uberlândia
52 - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
53 - Universidade Federal dos Vales Jequitinhonha e Mucuri
54 - Universidade Federal do Piauí

*Segundo o Andes (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior)


Imagem
UEL recebe nesta segunda mais de 2.800 novos alunos para o ano letivo de 2024
Com um sorriso de orelha a orelha e um abraço em cada um dos veteranos, Jéssica Borges, 23, chegou à UEL (Universidade Estadual d
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade