Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Atenção!

Vacina contra a dengue: cuidados ainda são necessários, alertam pesquisadores da UEL

Redação Bonde com Agência UEL
08 jul 2023 às 20:00
- Marcello Casal Jr./Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Os professores João Antonio Cyrino Zequi, do departamento de Biologia Animal e Vegetal, e Karen Brajão de Oliveira, do departamento de Ciências Patológicas, ambos do CCB (Centro de Ciências Biológicas ) da UEL (Universidade Estadual de Londrina), comentam a respeito da vacina contra a dengue, Qdenga, desenvolvida pela Biofarmacêutica Takeda, do Japão, disponível no Brasil. Para os pesquisadores, o novo imunizante, apesar de ser bastante eficaz contra a doença (conforme testes clínicos, oferece eficácia de cerca de 80%, após a segunda aplicação, em um período de 30 dias a 12 meses), ainda não descarta os cuidados que a população deve continuar contra a proliferação da doença.  


Os dados seguem altos em Londrina. De acordo com a última atualização, da última quarta-feira (5), o município apresenta 60.040 casos notificados, 31.173 casos positivos, 10.771 casos descartados, 18.096 casos em análise e 29 óbitos. Os dados são da Coordenação do Controle de Endemias, da Secretaria Municipal de Saúde de Londrina.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Pesquisador do Laboratório de Entomologia Médica, o professor João Zequi lembra que Londrina propicia cenários diferentes em suas regiões com relação à proliferação do vetor. “Exemplo são regiões em que existem maior concentração de pessoas em situação de acumulação, fatores que propiciam o início do aumento da incidência de casos, sendo assim neste ano o início se deu na região Norte”, diz. Por isso,  enfatiza que por mais que as ações sejam realizadas periodicamente, é extremamente importante conscientizar a população para evitar locais propícios à proliferação do vetor. Isso inclui mudanças culturais, principalmente em relação do descarte correto dos resíduos.

Leia mais:

Imagem de destaque
Oportunidade

UEM faz concurso com 82 vagas para docentes efetivos; salários até R$ 16,5 mil

Imagem de destaque
Mínimo 180 dias

Nova lei concede licença a estudantes de ensino superior que se tornem pais

Imagem de destaque
46 mil alunos

Aulas na rede municipal retomam nesta terça em Londrina

Imagem de destaque
Em fase única

Inscrições para Vestibular 2025 da UEL abrem nesta quinta


Zequi comenta que a sazonalidade influencia, mas o cuidado deve ser mantido em todas as estações. “Há também o aspecto imunidade. Se em um determinado local as pessoas estão imunes a um determinado sorotipo de vírus dengue, por exemplo, e se estiver circulando somente este, você pode ter muito mosquito, mas poucos casos devido à imunidade das pessoas, ou até baixa infestação de mosquito, mas se estiver com sorotipo novo haverá mais casos da doença”, explana. Segundo o pesquisador, a dinâmica entre a presença do vetor, circulação viral e doentes envolve muitos fatores e atores, por isso é crucial o monitoramento do vetor e dos vírus circulantes para uma ação mais eficaz.

Publicidade


Vacina atenuada


Mestre e doutora em Patologia Experimental, e pesquisadora do Laboratório de Genética Molecular e Imunologia, a cientista Karen Brajão pontua que se trata de uma vacina atenuada, ou seja, que traz em sua composição microrganismos vivos. É o único imunizante contra a dengue aprovada no Brasil, pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), para utilização em indivíduos sem necessidade de teste pré-vacinação - o que significa que pessoas que já tiveram ou não a doença podem se vacinar. No entanto, por ser atenuada, não é recomendável a pessoas com baixa imunidade, por doença ou tratamento. Por exemplo, portadores de HIV/AIDS, pacientes pós-transplante ou gestantes.

Publicidade


Brajão frisa que o tempo para chegar a uma vacina depende de vários fatores, desde os recursos investidos em pesquisa até o próprio comportamento da doença. No caso da Covid-19, por exemplo, a rápida transmissão permitiu observar melhor a doença em um tempo menor. “É preciso um tempo de avaliação”, observa.  


A vacina se baseia em resultados de 19 estudos com mais de 28.000 crianças e adultos, que duraram cinco anos, e foi aprovada pela Anvisa para a faixa etária de 4 a 60 anos. É a primeira aprovação da Qdenga na América Latina. Por enquanto, está disponível apenas na rede privada. Não há previsão para chegar à rede pública. A professora informa que a vacina prevê duas doses subscutâneas.

Publicidade


Prevenção continua


Um ponto importante destacado pela pesquisadora é que a existência de uma vacina não é desculpa para as pessoas relaxarem nos cuidados preventivos, principalmente a limpeza. Isso porque lixo acumulado não atrai apenas mosquitos, mas outras espécies nocivas, como baratas, escorpiões e ratos. Além disso, ela lembra que o Aedes aegypti não transmite apenas a dengue, mas outras doenças como a zika e a chikungunya, para as quais ainda não há vacina.


Zequi vai na mesma direção. “A vacina é mais uma importante ferramenta de controle da propagação do vírus da dengue, porém se faz necessário manter a ações de controle entomológico devido a existência de outras arboviroses como a chikungunya e Zika, além de outros potenciais arbovírus que o Aedes pode futuramente veicular. O monitoramento do vetor e seus arbovírus precisam ser constantes, pois a vacina tem como foco somente os quatro sorotipos de dengue, o que já é um grande avanço”, frisa.


Quem compartilha da mesma opinião é o coordenador de Controle de Endemias de Londrina, Nino Medeiros Ribas. Para Zéqui e Ribas, é importante esclarecer outros pontos, como o uso de repelente e o “fumacê”, tidos como “soluções” para parte da população. “O uso de repelente de forma correta, é uma ferramenta que pode sim influenciar diretamente tanto nos dois ciclos de transmissão, intrínseco (homem) e extrínseco (mosquito). A ferramenta conhecida com UBV Pesada, o “fumacê”, é uma das orientações para o controle de epidemias sustentada, ou seja, o aumento na incidência de casos prováveis em um curto espaço de tempo, porém se faz necessário destacar que é um inseticida”, informam. O que eles querem dizer é que mais de 50% de mosquitos são resistentes ou tolerantes a ele, ou menos afetados. Por isso, o uso precisa ser criterioso e acompanhado por outras atividades para que a resposta seja eficaz.


Imagem
UEL lança segunda seleção para Transferência Externa nesta sexta
A UEL (Universidade Estadual de Londrina) abriu, nesta sexta-feira (7), vagas para a segunda seleção do processo seletivo de Transferência Externa para o ano letivo de 2023.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade