13/04/21
Após confusão

MAM registra boletim de ocorrência contra agressões

O Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) recebeu neste domingo, 1, mais de uma centena de artistas e diretores de museus que prestaram solidariedade à instituição pelas agressões que vem sofrendo nos últimos dias. Um ‘abraçaço’ em torno da sede do museu selou o compromisso de importantes nomes das artes visuais do Brasil, entre eles Paulo Pasta, Ivo Mesquita, Aguilar e Guto Lacaz, contra atos de barbárie perpetrados contra instituições como o MAM, que, na sexta-feira, segundo nota da direção do museu, "foi invadido e seus colaboradores e visitantes foram alvo de ofensas e agressões verbais em claro ato intimidatório".

No sábado, representantes de movimentos conservadores protestaram contra a performance do bailarino e coreógrafo Wagner Schwartz no dia da abertura da 35ª. edição do Panorama da Arte Brasileira, terça, 26. Dessa vez, segundo a nota de posicionamento do MAM, "além das agressões verbais, cometeram atos de violência física contra visitantes e colaboradores". Em resposta às agressões, o museu registrou dois boletins de ocorrência, "nos quais constam também denúncias de ameaças de danos ao patrimônio por meio de telefonemas anônimos e mensagens em plataformas de mídias sociais".


Na nota, o MAM esclarece mais uma vez que a performance La Bête, realizada na abertura do Panorama, "se deu com a sala sinalizada, incluindo a informação de nudez artística, seguindo o procedimento regularmente adotado pela instituição de informar os visitantes quanto a temas sensíveis".
O trabalho apresentado na ocasião, afirma a nota, "não tem conteúdo erótico e se limitou a uma leitura interpretativa da obra Bicho, de Lygia Clark, historicamente reconhecida pelas suas proposições artísticas interativas."

Divulgação
Divulgação


Na performance, o coreógrafo Wagner Schwartz manipula um "bicho" de plástico (originalmente uma peça articulável de metal), colocando-se à disposição do público para ser igualmente articulado. Uma pessoa presente gravou a performance em vídeo e o transmitiu por rede social. O vídeo viralizou e foi interpretado por internautas como um ato de pedofilia, porque uma mãe e sua filha menor tocaram no corpo do performer.

"O museu reitera ainda que a criança que aparece no vídeo veiculado por terceiros era visitante e estava acompanhada e supervisionada por sua mãe e que as referência à inadequação da situação são resultado de desinformação, deturpação do contexto e do significado da obra".

"O MAM considera pertinente o debate para o aprimoramento e difusão do marco legal de classificação indicativa nos museus, ao mesmo tempo em que defende a liberdade de expressão na produção cultural", conclui a nota, agradecendo as manifestações de apoio que tem recebido de instituições culturais e do público. Até a hora do fechamento do museu neste domingo ainda pairavam no ar ameaças de grupos radicais conservadores, segundo a assessoria do museu.
Agência Estado
Continue lendo
Padma Patil

Atriz de Harry Porter anuncia que está grávida e recebe cumprimentos de colegas

12 ABR 2021 às 18h00
Saiba mais

Família vê timidez de Thaís como estratégia de jogo

12 ABR 2021 às 17h35
Reunião de condomínio

Tiago Leifert menciona formação de novos pódios para o Jogo da Discórdia do BBB 21

12 ABR 2021 às 17h05
Sucesso de 2004

Globoplay estreia 'Cabocla': relembre quem é quem na novela

12 ABR 2021 às 16h00
Já pensou?

Tênis de Kanye West vai a leilão e pode chegar a R$ 5,6 milhões, diz Sotheby's

12 ABR 2021 às 15h42
Já assistiu?

Susan Sarandon e Kate Winslet brilham em drama sobre eutanásia

12 ABR 2021 às 15h10
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados