Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Rotina

Aumento de casos de esporotricose no Paraná chama atenção para cuidados com os gatos

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
22 jan 2024 às 11:43
- Gabriela Fernandes
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Os casos de esporotricose mais que dobraram no último ano no Paraná. De acordo com a Sesa (secretaria de Saúde), o número da doença em humanos, em 2022, foi de 215 casos, enquanto que, até outubro de 2023, atingiram a casa dos 660, enquanto as notificações em animais subiram de 793 para 2.274. As regionais de saúde que mais apresentaram incidências de casos foram a Metropolitana de Curitiba e de Foz de Iguaçu (Oeste).


A esporotricose é uma zoonose caracterizada como uma micose subaguda a crônica, causada pelo fungo Sporothrix spp. "A doença, em humanos, se manifesta na pele, no tecido subcutâneo e vasos linfáticos, podendo afetar órgãos internos. Já em animais, ela pode apresentar lesão de pele e na mucosa, até sinais extra cutâneos, principalmente respiratórios e manifestações sistêmicas", detalha Vanessa Yuri de Lima, coordenadora do curso de medicina veterinária da PUCPR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) Câmpus Toledo (Oeste). Os sintomas podem levar até 14 dias para aparecer.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A transmissão pode ocorrer através de arranhaduras, mordidas ou contato direto com algum ferimento de gatos infectados. "Os felinos são grandes portadores da doença, principalmente por seus hábitos de escavar a terra, que é onde o fungo pode ser encontrado", comenta a professora. "A esporotricose como doença sempre existiu, mas, por ser um agente infeccioso e agora termos os pets como membro da família, a disseminação ficou facilitada".

Leia mais:

Imagem de destaque
Amor pelos felinos!

Dia Mundial do Gato: 7 dicas para 'mães e pais' de primeira viagem

Imagem de destaque
Dicas

Saiba como manter seu pet confortável e seguro no verão

Imagem de destaque
Quem vai ser o felizardo?

PRF registra 250 interessados em adotar o cão policial aposentado Echo

Imagem de destaque
Comportamento animal

Cabras parecem conseguir distinguir emoção na voz humana


Para evitar a doença, a indicação é manter os felinos sem contato com a rua, imunizados para outras doenças e saudáveis, além de manter o ambiente sempre limpo. Caso surjam os sintomas, é necessário levar o animal para um médico veterinário, além do dono também fazer uma visita a um especialista. 

Publicidade


Apesar das medidas, é importante que a população tome cuidados para evitar a contaminação pela doença.


Aqui estão algumas dicas para prevenir a esporotricose:

Publicidade


Mantenha os gatos dentro de casa.


Vacine seus gatos contra as doenças infecciosas..

Publicidade


Lave as mãos com água e sabão após tocar em gatos ou em ambientes que possam estar contaminados.


Use luvas ao cuidar de animais feridos ou doentes.

Publicidade


Fazer jardinagem com utilização de luvas.


Sintomas da esporotricose

Publicidade


Os sintomas da esporotricose podem variar conforme o local da infecção. Em humanos, a doença geralmente se manifesta na pele, com o surgimento de lesões avermelhadas, que podem ser pequenas ou grandes, únicas ou múltiplas. As lesões podem ser dolorosas ou não, e podem evoluir para ulcerações.


Em casos mais graves, a esporotricose pode se espalhar para os vasos linfáticos, causando inchaço nos gânglios linfáticos. Ainda pode atingir órgãos internos, como os pulmões, o fígado e os rins.

Publicidade


Em animais, os sinais clínicos da esporotricose podem variar. As lesões na pele são as mais comuns, mas também podem ocorrer problemas respiratórios, como tosse e dificuldade para respirar. Em casos graves, a doença pode levar à morte.


Diagnóstico e tratamento


O diagnóstico da esporotricose é feito com base nos sintomas e no histórico do paciente. Em alguns casos, pode ser necessário submeter a exames laboratoriais para identificar o fungo causador da doença. O tratamento da esporotricose é feito com antifúngicos. O tipo de medicamento e a duração do tratamento variam de acordo com a gravidade da doença.


A esporotricose é uma doença grave, mas que tem tratamento. Com cuidados preventivos, é possível evitar a contaminação e a disseminação da doença.


Imagem
Animais de estimação necessitam de cuidado redobrado nas férias
Se para os humanos a fuga da realidade é algo atípico, imagina como deve ficar a cabeça dos pets?
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade