Pesquisar

Canais

Serviços

- Reprodução/Pixabay
Continua depois da publicidade
Confira as dicas

Como adaptar a criança à chegada de um novo pet

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
23 out 2019 às 11:17
Continua depois da publicidade

Se há uma combinação perfeita no mundo é a junção de crianças e cachorros. A sensação que a gente tem é a de que os dois se entendem perfeitamente, sabem dar amor e carinho na medida certa e constroem laços de amizade indestrutíveis.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

No entanto, se você tem criança em casa e deseja ampliar a família com a chegada de um pet, é preciso levar algumas coisas em consideração para que eles construam uma relação harmônica. Veja como fazer isso de forma simples e tranquila.


Um pet exige cuidados - Independente do bicho de estimação que vai ser incluído na família, é preciso ter em mente que ele exige cuidados. Todos os membros da casa devem estar dispostos a fazer com que o pet esteja saudável, seguro e protegido.


Por isso, mostre para a criança que seu amigo precisa de carinho, de água, de comida e de conforto. Escolha uma atividade e delegue a ela. Eleja aquilo que ela será capaz de fazer, como trocar a água, por exemplo.


Estabeleça um horário e acompanhe para ver se a atividade foi concluída com sucesso. A criança se sentirá importante em poder ajudar nos cuidados do bichinho.

Continua depois da publicidade


Explique que haverá mudanças na rotina - A casa não vai ser a mesma depois da chegada do pet. A rotina será preenchida com mais brincadeiras, menos silêncio e, claro, mais alegrias. No entanto, é preciso mostrar para a criança que suas obrigações, horários e atividades não devem deixar de ser cumpridos com a desculpa de estar dando atenção ao pet.


Dessa forma, hora de estudar, de dormir, de alimentar-se e outras atividades devem seguir normalmente. A diferença é que elas serão desempenhadas com a companhia de um amiguinho muito especial.


De olho na saúde - Você deve sempre considerar a saúde da criança e do animal de estimação. Em relação à criança, alergias a animais de estimação costumam ocorrer em apenas 10% da população.


As mais comuns são rinite e dermatites leves. Entretanto, é possível evitar isso: basta orientar a criança para que ela lave as mãos sempre que brincar com o pet. Além disso, mantenha o animal sempre limpo, escovado e com o antiparasita em dia.


Pesquisas realizadas por especialistas em veterinária de várias partes do mundo indicam que, se a criança tiver contato com o animal desde cedo, seu organismo terá melhores condições de tolerar as reações alérgicas.


Joachim Heinrich, cientista do Instituto de Epidemiologia de Munique, na Alemanha, em um estudo realizado com 3 mil crianças que foram monitoradas desde o nascimento até os 6 anos, revelou que as que conviviam com animais obtiveram um sistema imunológico mais fortalecido.


As crianças que conviviam com cachorro ou gato dentro de casa demonstraram menos risco de desenvolver sensibilidade a pelos, fungos, pólen, poeira e outros elementos causadores de alergias.


No que diz respeito à saúde do pet, leve-o a consultas regulares com o veterinário, mantenha o calendário de vacinas, vermifugação e antiparasitas sempre em dia. Cuide bem da higiene dos pelos, da pele e das unhas.


Qual é a idade certa para ter um animal de estimação? - Se a criança nunca conviveu com um pet, pode ser que, no início, ela apresente um pouco de medo ou receio, que tendem a desaparecer conforme ela vai criando confiança.


Crianças que desde muito pequenas convivem com animais não vão ter grandes problemas em receber o novo membro porque já estão habituadas com o contexto que esses bichos proporcionam.


Se você tem uma criança já um pouco grandinha e ela possui histórico de aversão a pets, é bom fazer a socialização entre eles aos poucos. Nunca a obrigue a fazer carinho e se aproximar do animal. Isso pode causar ainda mais medo. O ideal é ir promovendo encontros de forma mais leve, como jogar um brinquedo, oferecer ração ou água e levá-los para passear. Na maioria dos casos, a socialização ocorre em poucos dias e, quando você menos esperar, verá que os dois não se desgrudam.


Cuidado com os maus tratos - A criança deve perceber que o animal de estimação é membro da família e, por isso, não deve ser maltratado. Isso tem a ver com regras, respeito ao outro e a todas as formas de vida. Crianças a partir de 4 anos entendem melhor essa situação.


Raças ideias para crianças - Cada raça possui uma personalidade específica. Na hora de escolher a ideal para a criança, leve em consideração a que mais se adequa ao seu perfil.


Se você mora em um espaço pequeno, as raças menores são as mais indicadas. Animais de grande porte, como labradores, golden retriever e boxer são extremamente dóceis e brincalhões, mas precisam de um espaço maior.

Independente da escolha, a amizade deles fluirá de forma bonita e uma história de parceria será construída pelo compartilhamento de brincadeiras, carinhos e muitas travessuras. É aí que mora a beleza desse encontro entre crianças e animais.


Compartilhar nas redes:

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade