Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Fique alerta

Pets também passam por processo de luto?

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
26 out 2023 às 11:23
- Freepik
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Pesquisas mostram que cães sentem a ausência das pessoas e de outros animais do círculo de convivência; especialista alerta para mudanças no comportamento que podem ocorrer


Com a aproximação do Dia de Finados, no dia 2, a perda de um ente querido e como lidar com o luto é um dos temas mais presentes. Neste sentido, uma das perguntas que surgem é se os animais de estimação também sentem o luto e de que forma eles respondem à ausência de uma pessoa ou de outro animal do círculo de convivência?

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


De acordo a médica veterinária comportamentalista Simone Bergamini, professora da Pós-Graduação da Faculdade Qualittas, mesmo que o tema ainda não seja consenso na comunidade científica, muitas pesquisas indicam que sim, os pets, em especial os cachorros, sentem a perda dos tutores. “Os cães criam vínculos muito profundos com os seres humanos e alguns estudos já comprovaram que eles respondem à ausência do tutor, muitas vezes com alterações emocionais e comportamentais”, destaca.

Leia mais:

Imagem de destaque
Amor pelos felinos!

Dia Mundial do Gato: 7 dicas para 'mães e pais' de primeira viagem

Imagem de destaque
Dicas

Saiba como manter seu pet confortável e seguro no verão

Imagem de destaque
Quem vai ser o felizardo?

PRF registra 250 interessados em adotar o cão policial aposentado Echo

Imagem de destaque
Comportamento animal

Cabras parecem conseguir distinguir emoção na voz humana


Bergamini detalha que as mudanças podem ocorrer principalmente se a pessoa que morreu era com quem o cão mais interagia. “Se era a pessoa com quem o animal tinha um forte apego e há uma quebra repentina desse vínculo, o cão pode sentir a ausência e ficar mais ansioso ou mais triste e, em alguns casos, até apático”, ressalta. Além da ausência da pessoa querida, também ocorre uma mudança da rotina do animal, com a ausência do companheiro de brincadeiras, passeios e afetos.


E não são apenas dos humanos que os cachorros sentem falta. Uma pesquisa de 2022 constatou que respondem à ausência de outros cães com quem conviviam. Entre os sinais que o animal pode apresentar com a morte do tutor está a perda de apetite, estado mais apático e a busca de pertences e do odor da pessoa ausente. Por isso, o ideal, conforme a médica veterinária, é tentar manter a rotina dele como era antes da morte do tutor e, se possível, ter uma pessoa de referência na família que possa ajudá-lo neste retorno das atividades. “O mais importante neste momento, seja pela perda de um humano ou de outro animal, é termos compreensão e darmos muito amor ao animal, para que novos vínculos de apego, amizade e confiança possam ser criados”.


Imagem
Bobi, cachorro mais velho do mundo, morre aos 31 anos em Portugal
Bobi, detentor do título de "cão mais velho do mundo" pelo Guinness World Records, morreu nesta segunda-feira (23), em Leiria, em Portugal, aos 31 anos.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade