Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Tragédia

Polícia indicia 7 funcionários e Cobasi por morte de animais em lojas inundadas em Porto Alegre

Bruna Viesseri - Folhapress
12 jun 2024 às 18:29
- Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Sete funcionários da rede de petshop Cobasi foram indiciados, nesta quarta-feira (12), pela morte de animais deixados dentro das lojas durante a inundação que atingiu Porto Alegre. As duas unidades gaúchas e a matriz, em São Paulo, também foram indiciadas, por meio dos CNPJs.


O indiciamento ocorre dentro da Lei de Crimes Ambientais, que prevê penalização a quem comete maus-tratos e causa experiências de dor e sofrimento a animais. A pena estipula detenção de três meses a um ano, e multa. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A sanção aumenta em caso de morte dos bichos e há agravante previsto para crimes praticados em época de inundações. A Cobasi aponta "indignação" com o indiciamento e diz que funcionários tomaram providências para garantir que os animais estivessem em altura segura.

Leia mais:

Imagem de destaque
30 dias para conclusão

Comissão do governo vai definir regras para transporte aéreo de pets

Imagem de destaque
Após cair em uma armadilha

Onça-parda capturada por moradores de chácaras em Londrina é solta em área protegida

Imagem de destaque
Pedido da passageira

Justiça decide que cão de suporte emocional deve viajar com passageira na cabine de avião

Imagem de destaque
Sem licença ou origem legal

Polícia Ambiental orienta como fazer a devolução voluntária de animais silvestres


A polícia estima que quase 200 animais que estavam à venda tenham morrido, incluindo aves, roedores e peixes. Na loja situada no subsolo do shopping Praia de Belas, na área central de Porto Alegre, foram recolhidas 38 carcaças, mas a lista do estoque da unidade indica que havia 175 animais no local, que ficou submerso.

Publicidade


A outra loja da Cobasi fica na avenida Brasil, no bairro São Geraldo. Ali, ao menos uma ave e peixes foram encontrados mortos. Um grupo de aves e peixes foi retirado com vida, mas a empresa não divulgou quantos.


A delegada Samieh Saleh, que investiga o caso, disse que a Cobasi não tinha plano de contingência para proteger os animais e também não se mobilizou para resgatá-los após o início da inundação.

Publicidade


"Fica demonstrado um total despreparo de uma rede que lida com animais vivos, que se propõe a promover seu bem-estar. Não souberam lidar com a situação, não prestaram o suporte necessário diante dos alertas sobre a enchente. Também não buscaram formas de retirar os animais das lojas depois do alagamento", disse a titular da Dema (Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente), que integra o Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) do estado.


A morte dos bichos na loja do shopping foi descoberta depois que a ONG Princípio Animal conseguiu autorização na Justiça para ingressar no local. A liminar foi obtida em 18 de maio, e a unidade havia sido evacuada por funcionários no dia 3.

Publicidade


"Os animais passaram por um cenário de horror nestes dias. A coloração e o cheiro da água ali dentro eram de esgoto, ficou impregnado na equipe mesmo depois de sairmos dali", diz a delegada.


Em depoimento, os gerentes das lojas gaúchas afirmaram que deixaram comida e água em maior quantidade aos animais, antes da evacuação, medida que não é suficiente para a sobrevivência, segundo a polícia.

Publicidade


Por outro lado, ainda conforme a polícia, equipamentos eletrônicos foram remanejados por funcionários da loja do shopping. Ao menos quatro computadores foram levados ao mezanino, e localizados pela delegada no local mais alto, longe da parte que ficou submersa.


Conforme a polícia, integrantes do escritório da Cobasi em São Paulo sabiam que os animais permaneciam dentro das lojas em Porto Alegre e não orientaram pelo resgate.

Publicidade


Em depoimento à polícia, um responsável pela direção do shopping afirmou que procurou uma das gerentes da loja após o início do alagamento e ofereceu acesso à unidade, para verificar como estariam os animais. A funcionária, no entanto, não teria mobilizado equipes para o resgate, segundo a testemunha.


Imagem
Ministério Público investiga envio de vídeo contra greve dos professores no Paraná
O MP-PR (Ministério Público do Paraná) investiga o custeio, a produção e o envio de vídeo contra a greve dos professores a pais de alunos da rede estadual de ensino.


Publicidade

Outro lado 


O advogado da empresa, Paulo da Cunha Bueno, disse que a Cobasi vê com "completa indignação" o indiciamento de seus colaboradores, avaliado por ele como "contorcionismo jurídico", que resultou em "conclusões levianas."


"A equipe da loja localizada no shopping Praia de Belas, assim como toda a população e
autoridades do RS, foi surpreendida por um evento da natureza de proporções imponderáveis, estado de coisas que, por si só, já tornaria incogitável que a causa da morte dos animais da loja possa ser distorcida para uma acusação de crime que demandaria, inclusive, requintes de crueldade em sua configuração."


Por meio de nota, a Cobasi informou que não havia indicação da "magnitude do desastre" que atingiu o estado e que "os colaboradores tomaram todas as providências para garantir que as aves, pequenos roedores e peixes estivessem em altura segura".


A empresa afirma que os animais foram colocados em estruturas acima de 1 m de altura, mas que a água chegou a 3,5 m, atingindo o teto da loja.


A empresa diz que a gerência do shopping, onde fica umas das lojas afetadas, solicitou que lojistas não tentassem acessar o local. Apesar disso, uma das gerentes teria ido ao local e sido impedida por seguranças de acessar o shopping.


Segundo a empresa, informações recebidas pela gerente indicavam que a loja não correria risco de inundação.


Em relação aos computadores, a gerência da loja diz que apenas quatro CPUs foram removidas, porque ficavam próximas do chão, nos caixas, e que não sabe o motivo de terem sido levados ao mezanino, "sendo que essas CPUs são equipamentos eletrônicos de menor importância em relação a todos os outros que permaneceram no salão inundado".


"A gerência da loja manteve-se sempre em contato com a direção do shopping sendo informada, em todas as oportunidades, de que a situação estava controlada e que, a despeito disso, os acessos às suas dependências não estavam autorizados por razão de segurança. A Cobasi lamenta profundamente o ocorrido", diz a empresa.


Imagem
Banda Terra Celta faz show em comemoração aos 34 anos da Rádio UEL
Comemorando os 34 anos da Rádio UEL, a Banda Terra Celta trará no dia 26 de junho, em dois horários, às 12h e 17:30h, uma experiência imersiva na sonoridade Celta e na alegria brasileira, transportando o público para um universo sem rótulos.


Outro indiciamento


Dois responsáveis pelo petshop Bicharada, de Porto Alegre, também foram indiciados por crime ambiental no mesmo inquérito, assim como a própria empresa. Animais que estavam à venda também foram deixados para trás quando a loja, na avenida Júlio de Castilhos, foi alagada.


Em 15 de maio, um grupo de voluntários, incluindo integrantes da ONG, acessou o estabelecimento, que estava fechado, pelo telhado, após receber denúncias.


Conforme a polícia, quatro aves e diversos peixes morreram na unidade. Com vida, foram resgatados 41 aves, 11 ratos, 8 hamsters e uma chinchila. O inquérito policial aponta que esses animais estavam em más condições de higiene, "debilitados" e "visivelmente sem cuidado de manejo há dias". Todos foram levados para atendimento veterinário.


Em depoimento à polícia, os responsáveis pela loja alegaram que já vinham resgatando os animais aos poucos. Eles não souberam informar quantos bichos no total estavam no estabelecimento, segundo a delegada.


Alexandre Scottá, um dos responsáveis pela loja, disse que os animais não foram abandonados no local.


"Como a gente não conseguia barco para retirar os animais, estávamos indo no local a cada dois ou três dias, para alimentá-los. Eu já havia conseguido resgatar algumas aves quando a ONG esteve na loja. Pegaríamos os demais nos dias seguintes. Inclusive resgatei dois gatos e um cão que estavam lá logo nos primeiros dias após a inundação", disse.


O empresário diz ainda que não localizou nenhum animal morto na loja, apesar de o inquérito policial indicar que foram retirados aves e peixes sem vida.


Imagem
TJ cassa liminar que suspendeu concurso da Prefeitura de Londrina
O desembargador da 5ª Câmara Cível do TJ (Tribunal de Justiça) do Paraná, Carlos Mansur Arida, cassou, nesta ter&ccedi
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade