Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Comida junina

Análise encontra substância tóxica em amendoim

Redação Bonde
02 jun 2009 às 08:00
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Nas festas juninas o amendoim é ingrediente certo, por isso a Pro Teste - Associação de Consumidores - avaliou oito marcas do tipo japonês e cinco do produto cru para descobrir as melhores opções e as que se devem evitar.

As análises apontaram altos teores de aflatoxina na marca de amendoim cru Kisabor. Também se constatou erro de classificação vegetal em um dos produtos testados: o Nippon, que tem padrão de qualidade abaixo da que diz ter. Porém, entre as demais marcas, há boas opções.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O nível de contaminação verificado é dez vezes maior do que a lei brasileira permite. O problema não se repetiu em outros lotes testados do mesmo produto, mas o fato de haver um lote com um nível tão alto de contaminação é motivo para muita preocupação.

Leia mais:

Imagem de destaque
Dia da Mentira

Confira cinco mentiras sobre alimentação que sempre te contaram

Imagem de destaque
Anvisa

Relatório aponta que 28% dos alimentos industrializados têm sódio em excesso

Imagem de destaque
Para um melhor desempenho

Conheça os nove nutrientes essenciais para evitar fome e cansaço pós-treino

Imagem de destaque
Rotina alimentar

Além do aspartame, OMS considera carne vermelha e outros alimentos como "possivelmente cancerígenos"


A Pro Teste solicitou à agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e ao Ministério da Agricultura a interdição e o recolhimento do mercado do lote 03073 do amendoim cru da Kisabor. A Agência prometeu que vai tomar providências.

Publicidade


A aflatoxina é uma toxina proveniente de fungos. Ela é perigosa para a saúde e potencialmente cancerígena. A substância tem efeito cumulativo no organismo e, quando consumida em doses elevadas, pode causar sérios danos à saúde, como cirrose, hepatite B e hemorragia nos rins. Na gravidez, a aflatoxina pode causar mutações no feto.


A legislação caracteriza, corretamente, os produtos com aflatoxina em excesso como impróprios para o consumo. Mas, com base no que a PRO TESTE encontrou, fica claro que há falhas no controle dos produtos comercializados no Brasil.

Publicidade


O controle e a fiscalização desse tipo de problema precisam ser rígidos. Em 2007 a União Europeia intensificou o controle sobre os amendoins e seus derivados originários do Brasil devido ao risco de contaminação por aflatoxina.


Não é a primeira vez que a PRO TESTE encontra aflatoxina em produtos com amendoins como ingrediente. Num teste de paçocas, divulgado em maio de 2004, encontrou duas marcas com contaminação por aflatoxina. Na ocasião, também foram alertadas as autoridades e nada foi feito. Desta vez, o cenário parece ser outro.


No amendoim japonês foi constatado que os produtos não apresentam excesso de sal. Nenhum chega a ultrapassar 15% do limite diário de consumo para um adulto - o que é aceitável para um lanchinho.

As marcas testadas foram Agtal; Chinezinho; Dori; Dr. Oetker; Hikari;
Iracema; kisabor; Mendorat; yoki e Nippon. A avaliação completa está na revista PRO TESTE de junho que é distribuída exclusivamente aos associados da entidade e, no site www.proteste.org.br.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade