Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Vida mais saudável

Probióticos e prebióticos: saiba quando usá-los para equilibrar a saúde intestinal

Ana Gabriela Oliveira Lima - Folhapress
11 jun 2023 às 14:50
- Freepik
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O funcionamento equilibrado do intestino reduz o risco de desenvolver diferentes doenças como o Alzheimer e o câncer colorretal, segundo especialistas. Para manter a região saudável, eles recomendam o consumo balanceado de probióticos, bactérias do "bem" que habitam a microbiota intestinal, e de prebióticos, fibras que servem de alimento para esses microrganismos.


"Existe um eixo que comunica intestino e cérebro. Se as bactérias do bem predominam na microbiota intestinal, há uma sinalização positiva no cérebro, quer seja em termos de saciedade, resposta imunológica ou na condição de resistência orgânica para o não desenvolvimento de doenças", afirma Durval Ribas-Filho, nutrólogo e presidente da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


No caso do câncer colorretal, a microbiota saudável do órgão pode reduzir o risco da doença porque fortalece o sistema imunológico e evita inflamação na região.

Leia mais:

Imagem de destaque
Para um melhor desempenho

Conheça os nove nutrientes essenciais para evitar fome e cansaço pós-treino

Imagem de destaque
Rotina alimentar

Além do aspartame, OMS considera carne vermelha e outros alimentos como "possivelmente cancerígenos"

Imagem de destaque
Dieta equilibrada

Diabetes na infância: confira dicas para preparar a lancheira escolar

Imagem de destaque
Entenda

Consumo excessivo de carne traz riscos à saúde? Entenda


"Quando falamos de câncer, falamos de mudança celular. Algo maior, mas que sempre começa com alguma inflamação. Se você reduz a inflamação e tem uma maior disponibilidade de nutrientes e antioxidantes para serem utilizados pelo corpo, você reduz a chance de desenvolver qualquer tipo de doença", pontua Rosanita Garcia, nutricionista pós-graduada em Nutrição Clínica pela Universidade São Camilo.

Publicidade


As chamadas "bactérias do bem" já existem no organismo e podem ser encontradas em alimentos como iogurtes e queijos fermentados. Já os prebióticos, que ajudam no seu crescimento, estão em cereais integrais, banana, aveia, cebola, alho e aspargo. Há ainda a opção de suplementação das substâncias.


"Não há contraindicação, mas pode haver desconforto se a prescrição for incorreta. É importante a indicação de produto e quantidade certa feita por um nutricionista", afirma Garcia.

Publicidade


A ingestão de probióticos ou prebióticos pode ser indicada para aqueles que buscam uma vida mais saudável, com melhora na absorção de nutrientes como cálcio e ferro, ou quando há a ocorrência de sinais e sintomas como intestino preso ou solto, flatulência excessiva, alergia respiratória ou na pele, casos frequentes de candidíase e micose, dentre outros.


No caso do analista de sistemas Marcelo Barbosa, 49, a ingestão de lactobacilos e fibras foi motivada por um desequilíbrio intestinal, que melhorou na primeira semana depois do início da suplementação. "Ficava com intestino solto em alguns momentos do dia, logo após o café da manhã e às vezes depois do almoço", afirma.

Publicidade


Já Claudia Gouvêa, 50, procurou a ajuda da nutricionista ao identificar que tinha intolerância a lactose e desarranjo intestinal. A saída para ela foi melhorar a dieta e iniciar a ingestão de probióticos. "Com a suplementação, consegui regular o intestino e ir ao banheiro mais ou menos sempre no mesmo horário".


Além de fazer o órgão funcionar, aumentar a imunidade e prevenir doenças, prebióticos e probióticos contribuem para a produção de neurotransmissores, a exemplo da serotonina, funcionando como um tratamento coadjuvante para quadros de depressão, ansiedade e insônia, afirma Garcia.

Publicidade


"Nos últimos anos, houve um crescimento vertiginoso de pesquisas relacionadas à microbiota intestinal. Esses estudos mostram claramente que muitas doenças começam no intestino", diz o nutrólogo Ribas-Filho.

"A microbiota intestinal alterada pode acionar o gatilho da expressão genética de algumas doenças. Você é o que você come. Quem quer que seja o pai de uma doença, a mãe foi uma dieta deficiente", afirma, reforçando a importância da preocupação com a alimentação saudável.


Imagem
Consumir sorvete pode amenizar dor na garganta
Afinal, é recomendado consumir alimentos ou líquidos gelados ao ter uma inflamação na garganta?
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade