Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Dieta equilibrada

Diabetes na infância: confira dicas para preparar a lancheira escolar

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
11 out 2022 às 15:45
- Camila Hampf
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Desde cedo o ambiente social estimula o consumo de guloseimas e alimentos com gordura saturada e calorias, o que muitas vezes pode causar problemas de obesidade ou até mesmo ocasionar doenças mais sérias. Na fase escolar, um dos principais desafios é manter uma alimentação equilibrada privilegiando um cardápio rico em nutrientes para os filhos.


No caso das crianças com diabetes, a atenção da família deve ser redobrada. É importante que haja sempre uma relação da insulina com o consumo de carboidratos que venha ocorrer. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


“Se a guloseima tem carboidrato, é preciso ter uma cobertura proveniente de insulina para que aquele carboidrato não promova uma hiperglicemia. O consumo de guloseimas deve ser exceção e não regra”, explica Dra. Maristela Strufaldi, nutricionista do ICPD (Instituto Correndo pelo Diabetes).

Leia mais:

Imagem de destaque
UNIDADE DO JARDIM DO SOL

Após desabamento de forro, UPA de Londrina pode ser transferida para prédio na Faria Lima durante obras

Imagem de destaque
PARA CRIANÇAS DE 10 E 11 ANOS

Cambé inicia vacinação contra dengue nesta terça-feira (27)

Imagem de destaque
Mais de 58 mil casos no PR

Brasil ultrapassa 650 mil casos de dengue; 94 mortes desde o início do ano

Imagem de destaque
Entenda

'Quadro psicótico', diz Vanessa Lopes ao falar sobre o que a fez sair do BBB


Como fazer uma lancheira escolar de uma criança com diabetes?

Publicidade


O lanche deve ser saudável, composto de fontes de carboidrato de lenta absorção, com fibras, uma fonte de proteína que pode ser proveniente de lácteos. O líquido não deve ser açucarado. A fruta sempre será uma opção melhor que o suco. Preferir água, chá gelado, mas sem adição de açúcar.


●      É recomendável estimular o consumo de alimentos energéticos, tais como pães, cereais, biscoitos. Neste caso, os integrais são mais interessantes porque a fibra tem um papel de atenuar a velocidade de absorção do carboidrato.

Publicidade


●      Importante introduzir, diariamente, alimentos do grupo construtor (fonte de proteína), a exemplo de queijos, leite, iogurtes, patê de atum, patê de frango, grão de bico e alguma fonte de alimento regulador (frutas, verduras e legumes), como o palitinho de cenoura, pepino e fruta.


Vale lembrar que cada cardápio é personalizado, pois depende do horário do lanche da criança e da quantidade de insulina a ser aplicada para aquela quantidade de carboidrato que será consumida – o que configura a contagem de carboidratos.

Publicidade


Como isso é feito?


Contagem de carboidratos é uma ferramenta nutricional altamente benéfica e que contribui para o controle da glicemia e proporciona uma melhor flexibilidade alimentar. Consiste no ajuste da administração da insulina (de rápida absorção) para a quantidade de carboidrato que está sendo consumida. 

Publicidade


Para 15 gramas de carboidrato consumido uma pessoa precisa de uma unidade de insulina rápida ou ultrarrápida para fazer cobertura para o carboidrato ingerido.


É importante que exista uma conduta multidisciplinar com acompanhamento de um médico e de um nutricionista para manter a coerência e o aprendizado em relação aos alimentos e administração de insulina.

Publicidade


Para evitar crises de hiperglicemia é preciso seguir as orientações médicas e fazer o monitoramento de insulina mediante ao alimento ingerido. Crianças com diabetes devem evitar ficar muito tempo sem se alimentar (jejum prolongado) e manter um fracionamento alimentar para prevenção da doença.


A atividade física deve ser planejada com alimentação, insulinoterapia e mediante treino adequado e coerente a idade da criança. 


“Importante executar o autocuidado e os pilares do tratamento do diabetes como ajuste da alimentação, exercícios físicos, monitorização e o esquema medicamentoso”, orienta Dra. Maristela.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade