Pesquisar

Canais

Serviços

- Google Maps/Agosto de 2011
Será substituído

Bispo de São José do Rio Preto renuncia após ter vídeo íntimo divulgado

Simone Machado/Folhapress
19 ago 2021 às 09:44
Continua depois da publicidade

O bispo dom Tomé Ferreira da Silva, da Diocese de São José do Rio Preto (a 437 km de São Paulo), no interior paulista, renunciou ao cargo após ter vídeo íntimo divulgado na internet, na sexta-feira (13). O pedido foi aceito pelo papa Francisco e divulgado nesta quinta-feira (18) no boletim oficial do Vaticano e em um comunicado emitido pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

Continua depois da publicidade


As imagens que viralizaram nas redes sociais mostram o bispo seminu durante uma videochamada. O clérigo aparece tirando a roupa e acariciando o próprio órgão íntimo. Na imagem, ao final, há outro homem, com uma tarja cobrindo rosto, também nu.

Continua depois da publicidade


Segundo o documento divulgando a saída de dom Tomé, o arcebispo da cidade vizinha Ribeirão Preto, Moacir Silva, assume o posto. A publicação não diz o motivo do pedido de renúncia do religioso.


"A Nunciatura Apostólica informa que o Santo Padre aceitou hoje o pedido de renúncia ao governo pastoral da Diocese de São José do Rio Preto, apresentada por S. Excia. D. Tomé Ferreira da Silva, nomeando, ao mesmo tempo, como Administrador Apostólico, o Exmo. Sr. D. Moacir Silva, arcebispo de Ribeirão Preto", diz o comunicado assinado pelo bispo auxiliar de S. Sebastião do Rio de Janeiro, dom Joel Portella Amado.

Continua depois da publicidade


Dom Tomé ocupava o cargo desde novembro de 2012. A Diocese de São José do Rio Preto abrange 26 municípios da região, com 70 paróquias.


Procurados, dom Tomé e a CNBB não se manifestaram, assim como o padre Júlio César Sanches Lázaro, chanceler do bispado de São José do Rio Preto.


Renúncia em 2018 Essa não foi a primeira vez que dom Tomé se envolveu em polêmicas. Em setembro de 2018, o religioso renunciou ao cargo de coordenador regional da Arquidiocese de Ribeirão Preto.

Na época, o pedido foi feito após ele ser investigado pelo Vaticano por supostamente omitir casos de abusos ocorridos na igreja.


Continue lendo