28/01/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Problemas no verão

CMTU cobra corte de mato alto em terrenos particulares

Sol forte e muito calor colabora com o mato alto em terrenos baldios, principalmente quando os proprietários de lotes particulares não promovem a manutenção dessas áreas. Somam-se a isso as chuvas e a umidade típicas dessa época do ano e estará pronta a fórmula perfeita para o crescimento desenfreado da vegetação.

Segundo dados da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização de Londrina (CMTU-LD), atualmente, a cidade conta com cerca de 240 mil inscrições imobiliárias. Aproximadamente 40 mil terrenos não tem construção, em que 30% ficam "largados" e contabilizam o tamanho do problema. "Em períodos como este, de chuva, calor e umidade, o mato pode crescer até 4 centímetros por dia, o que agrava a situação", explica o diretor de operações da CMTU-LD, Alexandre Zuliani.


Divulgação
Divulgação


O Código de Posturas do Município determina que a obrigação sobre a limpeza e a conservação dos terrenos privados é do próprio dono. Isso inclui também a manutenção das calçadas em frente aos lotes. Apesar da determinação da lei, boa parte dos proprietários descumpre a exigência, fazendo com que o Município e, consequentemente, todos os contribuintes, paguem a conta do desleixo.

Qual o tamanho dessa conta? O prejuízo chega perto dos R$ 700 mil por ano. Somente em 2014, a CMTU promoveu a capina e roçagem de quase 3 mil terrenos particulares - mais de 1 milhão de metros quadrados capinados, cuja verba poderia ter sido empregada em outras áreas da limpeza pública, caso os responsáveis legais cumprissem com a responsabilidade. Para amenizar o problema, a CMTU precisa manter nas ruas um serviço emergencial, com uma equipe limitada, composta por 9 trabalhadores, os quais atendem um cronograma de trabalho em todas as regiões de Londrina.

O presidente da Companhia, José Carlos Bruno de Oliveira, alerta que, além do prejuízo para a cidade, a conta fica muito mais cara para quem é negligente com a manutenção. "São R$ 2 de multa por metro quadrado roçado, mais R$ 0,51 por m2 de despesas com os serviços, mais 10% de taxa administrativa sobre os serviços. Isso pode chegar até seis vezes mais do que o proprietário pagaria por um serviço terceirizado", explica Bruno.

Tendo como exemplo um terreno de 250 m², que é a média dos lotes, os custos totais podem variar entre R$ 650 e R$ 700. Já os serviços particulares contratados pelos proprietários, podem variar de R$ 100 a R$ 400, dependendo das características da área, da altura do mato e da complexidade da limpeza.

Apesar da diferença dos valores, ocorre que nem sempre o montante investido pela CMTU retorna no mesmo ano aos caixas municipais, já que muitos contribuintes recorrem da autuação. Desde o ano passado, os inadimplentes estão sendo cobrados com o apoio da Secretaria Municipal de Fazenda.

Prazo para a regularização

Os proprietários de terreno têm até o dia 21 deste mês para executar por conta própria a limpeza das áreas, conforme edital publicado pela CMTU. Expirado o prazo legal, a Companhia estará apta para iniciar os serviços, fazendo a capina e roçagem dos lotes e encaminhando a multa aos donos. Denúncias de datas com mato alto podem ser feitas nos telefones 3379-7968 e 3379-7946, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.
Redação Bonde com assessoria de imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Plano Anual de Financiamento

Dívida pública pode alcançar até R$ 4,75 trilhões em 2020

Tem purê!

Veja o cardápio do Restaurante Popular nesta terça

Veja mais e a capa do canal