Pesquisar

Canais

Serviços

Micaela Orikasa/Grupo Folha
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Solidariedade

Dia Mundial dos Pobres é celebrado em Londrina com moradores de rua

Micaela Orikasa - Grupo Folha
14 nov 2021 às 14:11
Continua depois da publicidade

A partir de uma corrente de solidariedade, uma parcela da população que vive em situação de rua em Londrina, recebeu um café da manhã especial, seguido de almoço e jantar neste domingo (14). A doação de tempo e de alimentos foi promovida por grupos religiosos e voluntários, para marcar a 5ª edição do Dia Mundial dos Pobres.  

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A data é uma iniciativa do Papa Francisco e tem o objetivo de provocar a reflexão, ação e oração em torno dos que vivem em vulnerabilidade social. Em Londrina, foi oferecido um café da manhã no estacionamento da Catedral Metropolitana para cerca de 200 pessoas. Para Sebastião Miguel de Jesus, 59, que está vivendo nas ruas há cerca de dois anos, poder comer um sanduíche, um pedaço de bolo, frutas e tomar xícara de café com leite, é um momento de alegria. “Fazia tempo que eu não tomava um café assim, com tanta coisa. Tá bom demais”, comenta. 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


O arcebispo de Londrina, Dom Geremias Steinmetz, abençoou os alimentos e explicou sobre a data, cujo tema este ano é “Sentes compaixão?”, sob o lema: “Sempre tereis pobres entre vós” (Mt.14,7). “Esse encontro hoje nos mostra o quanto temos que viver a solidariedade que Jesus pede de nós. O tema deste ano é sobre viver e sentir como o outro”, diz.  


A pobreza socioeconômica assola mais de 51,9 milhões de brasileiros e este cenário está cada dia mais assustador, especialmente com a crise desencadeada pela pandemia da Covid-19. “A pandemia, aliada às questões destacadas pelo Papa Francisco, como a economia da exclusão, a cultura do descartável, a idolatria do dinheiro e a globalização da indiferença, tem levado milhões de pessoas a situações difíceis para a manutenção da vida. O Brasil está, inclusive, voltando ao mapa da fome e os brasileiros precisam perceber isso e entender que as coisas podem ser diferentes se toda a sociedade, de fato, se organizar neste propósito”, ressalta.  


Continue lendo na Folha de Londrina.

Continue lendo